Visto negado

Meu marido, Pedro Leonardo, é programador de jogos. Em 2006, teve um câncer ósseo na perna, que superou após fazer quimioterapia e uma cirurgia em 2007. Em 2008, foi aceito na Vancouver Film School, uma das cinco melhores escolas de Game Design do mundo. Conseguiu uma bolsa de US$ 10 mil para um curso de US$ 46 mil! Demos entrada no visto três meses antes e nos preparamos para a viagem. Mas em janeiro Pedro teve câncer no pulmão, fez uma cirurgia e um mês e meio depois se recuperou totalmente. A faculdade o transferiu para a turma de junho. Mas o Consulado Geral do Canadá, após seis meses, negou o visto, alegando os problemas de saúde dele. Ter seu visto negado apenas porque teve câncer e sobreviveu é algo injusto. Como qualquer aluno, ele provou sua condição financeira e suas intenções. MARIA EUGÊNIA F. DE SOUZA São PauloThe Visa Section Consulate General of Canada São Paulo esclarece que as informações dadas por um requerente de visto para o Canadá são protegidas pela lei de privacidade canadense e só podem ser reveladas ao interessado, o qual as recebeu por escrito, ou às pessoas autorizadas previstas pela legislação. A decisão sobre um pedido de visto é tomada após cuidadosa análise das informações, tendo o requerente a justa oportunidade de explicar e rebater as preocupações de um oficial de imigração, que deve determinar se a emissão do visto não contraria a legislação vigente. Informa que o programa de imigração canadense é baseado em princípios não-discriminatórios e cada pedido de visto é analisado com base em méritos próprios. IndignaçãoDirigi-me ao posto do INSS na Rua Florêncio de Abreu para apresentar comprovantes de pagamento de seguro de minha sogra, que tem 82 anos. O local tinha cerca de 100 pessoas, a maioria idosa, portando senhas - a espera para ser atendido era de 2h30. O ar-condicionado estava desligado e o painel eletrônico não funcionava. Apresentei os comprovantes de 3 anos, alguns meses se haviam extraviado, mas ela jamais ficou sem seguro-saúde. Resumindo: ela será autuada pelos meses que não localizou os comprovantes, mesmo tendo comprovado períodos anteriores e posteriores. O que me fez relatar esse fato foi o descaso que presenciei no atendimento. Enquanto somos roubados e nossa dignidade é usurpada cada vez que pisamos em qualquer desses órgãos públicos, a farsa deste desgoverno continua.MARIA HELENA BORGES MARTINSSão PauloCarlos Eduardo L. Mantovani, da Comunicação da Superintendência da Receita Federal do Brasil-SP, informa que essa unidade foi criada para agilizar a conclusão das declarações de IRPF em Malha Fiscal. A Receita vem alocando mais funcionários, criando rotinas padronizadas e simplificadas para diminuir o tempo de espera. O cidadão deve ser bem atendido e tem o direito de reclamar se assim não o for. Houve falhas de processamento em alguns dias que levaram à postagem de intimações de forma acumulada e uma pane elétrica que atingiu o painel para chamada dos contribuintes e o ar-condicionado, problemas que já foram solucionados.A leitora contesta: Se agilizar corresponde a 2h30 de espera, realmente estamos perdidos. Minha sogra já recebeu notificação para pagar mais R$ 1 mil a esse desgoverno.Talvez consertem os paineis e o ar condicionado com esse dinheiro, tenho dúvidas. Fim dos fretados? A retirada de ônibus fretados das ruas de São Paulo significa prejudicar em muito quem precisa ir e vir do trabalho e percorrer grandes distâncias. Esse tipo de transporte deve ser considerado uma solução! Sou usuário de fretado há vários anos e posso garantir que esses veículos só transportam pessoas que vão e voltam do trabalho, com exceção de alguns poucos estudantes. Não se usa fretado para passeios em São Paulo e, se existem, são para turismo como em qualquer cidade civilizada. PORPHIRIO GOMES DE OLIVEIRAAtibaiaEsclarecimento: Em relação à carta do sr. Jacques Fontana (26/5), sobre a inspeção veicular nos ônibus da capital, a SPTrans esclarece que segue rigorosamente os critérios ambientais estabelecidos pelo órgão responsável pela qualidade de ar na cidade (Cetesb) e acompanha a fiscalização e a manutenção dos coletivos. Nos últimos 12 meses todos os ônibus passaram pela inspeção veicular da Controlar e o resultado da vistoria pode ser obtido na Secretaria Municipal do Verde e Meio Ambiente. Mesmo antes da inspeção veicular obrigatória, a SPTrans já monitorava semestralmente toda a frota. MARCO SIQUEIRA da Assessoria de Comunicação da SPTrans

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.