Vistorias só voltam quando Consórcio garantir segurança

Os imóveis ao redor da cratera aberta nas obras da futura Estação Pinheiros do Metrô, em São Paulo, só passarão por novas vistorias após confirmação, por parte do Consórcio Via Amarela, de que a área não oferece riscos. A afirmação foi feita pelo subprefeito de Pinheiros, Nilton Elias Nachle, nesta terça-feira, 23. "Estamos aguardando primeiro que todas as movimentação da grua se encerre para que a gente possa fazer análise com muita calma e com muito critério para poder eventualmente fazer as interdições em algum imóvel", explica.Segundo o subprefeito, a administração municipal e a Defesa Civil não têm pressa em fazer a liberação dos 44 imóveis residenciais e comerciais que permanecem interditados desde o dia do desmoronamento, no último dia 12.Em entrevista à Rádio Eldorado AM, Nachle relatou que para que as casas sejam liberadas e novas vistorias sejam feitas, é necessário que o Consórcio Via Amarela apresente novo logística da obra, já que o canteiro deverá ser totalmente reformulado, uma vez que boa parte dele foi engolido pela cratera. "O Metrô deve passar a nova logística da obra. Tinha residência em que não tinha trânsito pesado de caminhões. A partir da nova logística precisamos saber, porque as casas são antigas e não vão suportar esse tráfego de caminhões pesados que a obra passará a ter após a definição da logística", completa.Depois que a área for confirmada como segura e o prefeito tiver todas essas informações em mãos, haverá uma força-tarefa para vistoria e liberação das casas que estiverem em boas condições. Muitos moradores não querem voltar para as casas, mesmo que elas tenham condições de reabrigá-los. Durante as discussões das indenizações essa questão também será colocada e há a possibilidade de que o dinheiro seja pago aos moradores para que eles possam se mudar.InvestigaçõesProfissionais que integram a equipe técnica do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT) encarregada da investigação do acidente na estação Pinheiros do Metrô, em São Paulo, iniciaram no último fim de semana a coleta de informações. O objetivo é reunir documentação e coletar dados no local do acidente. Não foi estabelecido prazo para a conclusão desta etapa.Para definir e orientar a seqüência dos trabalhos, coordenadores da equipe do IPT discutem e analisam aspectos metodológicos dos estudos que serão realizados. Ao mesmo tempo, IPT e Metrô definem os últimos detalhes contratuais para adequar ações e prazos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.