Vítima de hepatite, morre no Rio, aos 56 anos, Neusinha Brizola

Polêmica, filha de Leonel Brizola será sepultada ao seu lado, hoje, em São Borja

Clarissa Thomé / RIO, O Estado de S.Paulo

28 Abril 2011 | 00h00

NEUSA MARIA GOULART BRIZOLA 1954 - 2011

Neusa Maria Goulart Brizola, filha caçula do ex-governador Leonel Brizola, morreu ontem, aos 56 anos, na Clínica São Vicente, na Gávea, zona sul do Rio. De acordo com a família, Neusinha Brizola, como era mais conhecida, sofria de hepatite C e morreu em decorrência de complicações da doença.

Neusinha sentiu-se mal no domingo e foi internada na São Vicente. Ao longo da semana, o quadro se agravou e ela sofreu uma embolia pulmonar, informou Tania Fayal, assessora do secretário de Trabalho e Renda, Brizola Neto, e do vereador Leonel Brizola, sobrinhos de Neusa.

Ela tinha dois filhos, Laila e Paulo Cesar, e quatro netos. Seu corpo será velado no Cemitério São João Batista até as 17 horas e o enterro será amanhã, em São Borja, no Rio Grande do Sul. "Neusinha, que - com todos os desentendimentos que a imprensa sempre explorou - foi sempre objeto de um carinho especial de meus avós, será sepultada ao lado deles, em São Borja", escreveu Brizola Neto, em seu blog.

Neusinha ficou conhecida por suas desavenças com o pai nos anos 80 e 90. Com visual de roqueira, gravou dois discos e teve um sucesso, Mintchura. Chegou a posar para a Playboy, mas o então governador Brizola conseguiu impedir a publicação das fotos.

Polêmica. Extravagante, ela criou o Movimento Anarquista Tropicalista Energético e teve Paulo Coelho celebrando sua cerimônia de casamento. Mudou-se para a Holanda e de lá voltou, seis anos depois (em 1991), viciada em drogas, sendo presa duas vezes por posse de cocaína.

Livrou-se da dependência e abriu com a filha uma produtora cultural, passando a ter uma relação mais tranquila com o pai. "Ele sempre foi um aglutinador na política e na família. Procurava manter todos debaixo da asa. Nos falávamos praticamente todos os dias", disse após a morte de Brizola, em 2004.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.