Vítima não levou tiro nas costas

O diretor do Instituto Médico-Legal (IML), Ideaki Kawata, afirmou ontem que o motoqueiro Firmino Barbosa, de 30 anos, morto no sábado pelo promotor de Justiça Pedro Baracat Guimarães Pereira, de 42, não levou nenhum tiro pelas costas. A versão é diferente da defendida pela família do rapaz desde o fim de semana. Segundo o cunhado de Barbosa, o motorista particular Raimundo Celso dos Santos, das 11 balas disparadas, 8 teriam atingido as costas do motoqueiro.De acordo com Kawata, o laudo definitivo - que apontará os pontos do corpo em que Barbosa foi baleado -, ainda não foi entregue à polícia porque está sendo preenchido com dados complementares. "Isso deve levar 30 dias", disse o diretor do IML.

Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

09 de janeiro de 2008 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.