Kalberto Rodrigues/Divulgação
Kalberto Rodrigues/Divulgação

Vítima reconhece acusados de estupro coletivo no Piauí

Moça afirma que tomou uma bebida alcoólica e não se lembra do que aconteceu depois; ela ficou sabendo do crime pelo vídeo

Luciano Coelho, Especial para o Estado

15 de junho de 2016 | 12h55

TERESINA - Em depoimento prestado nesta terça-feira, 14, a Delegacia de Feminicídio, a moça de 21 anos que foi vítima de estupro coletivo em Sigefredo Pacheco (a 164 km ao norte de Teresina) reconheceu, depois de ver o vídeo, três dos quatro abusadores. Ela não lembrava da violência que sofreu e tomou conhecimento do estupro depois do vídeo circular pelo aplicativo WhatsApp.

No vídeo, os estupradores dizem ironicamente: "Amanhã todo mundo preso em Sigefredo Pacheco". Com o reconhecimento, a polícia está em diligências para prender os agressores.

A vítima contou à delegada Anamelka Cadena que tomou um copo de bebida alcoólica e não se lembra do que aconteceu depois.

De acordo com a advogada de defesa Josefa Miranda, o crime foi praticado dentro de um carro no dia 3 de junho e foi registrado para apuração da polícia no dia 13, depois do vazamento do vídeo no WhatsApp. "Eles produziram a principal prova para incriminá-los, que foi a gravação do vídeo. Um deles aparece nas imagens pelado e com as partes íntimas cobertas com um lenço", afirmou a advogada.

A Secretaria de Segurança Pública do Piauí não revelou o nome dos acusados de estupro coletivo, mas confirmou que as diligências estavam sendo feitas para prendê-los. O caso é conduzido pela delegacia de Campo Maior, que fica a 80 km de Sigefredo Pacheco, com apoio do Núcleo de Feminicídio, em Teresina.

Tudo o que sabemos sobre:
Sigefredo Pacheco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.