Vítimas das chuvas são resgatadas com helicópteros em Campos

Ao todo, 70 homens dos Bombeiros de Campos estão atuando em operações de resgate nas áreas inundadas

Agência Brasil

30 Novembro 2008 | 16h51

Vários distritos do municípios de Campos, no norte fluminense, estão inundados devido à chuva dos últimos dias na região. Muitas famílias estão sem moradia porque a água invadiu as casas destruindo os bens domésticos, como fogão, geladeira, televisão e móveis em geral. Neste domingo, 30, o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do estado do Rio, coronel Pedro Machado, fez um sobrevôo nas áreas mais atingidas e disse que nos distritos mais distantes, como Lagoa de Cima e Ururaí, os rios que cortam a região transbordaram e as equipes de socorro estão utilizando helicópteros para resgatar os moradores ilhados.  Pedro Machado, que também é subsecretário de Defesa Civil estadual, informou que o Exército cedeu dois caminhões para ajudar no transporte de gêneros de primeira necessidade para as famílias foram obrigadas a abandonar suas casas. Ele disse também que dois helicópteros da Secretaria de Segurança Pública estão levando alimentos e água potável para os desabrigados.  O comandante-geral do Corpo de Bombeiros revelou que a maior necessidade das famílias de Lagoa de Cima e Ururaí no é de água potável e cestas básicas, pois os dois distritos de Campos não possuem água encanada e são atendidos por poços artesianos que foram contaminados com o transbordamento dos rios. Ele explicou que equipes de saúde do Corpo de Bombeiros também estão ajudando as pessoas desabrigadas e desalojadas pelo temporal, e todo o efetivo de 70 homens do Grupamento dos Bombeiros de Campos está dividido em equipes e atuando em operações de resgate nas áreas inundadas do municípios.  O coronel Pedro Machado informou também que estão sendo distribuídos à população kits de limpeza para serem usados pelas famílias ao retornarem para suas casas. "Nós estamos fornecendo também plástico para que as pessoas possam cobrir seus eletrodomésticos, como fogão, geladeira, equipamentos de som, além de móveis e utensílios, que foram colocados nas lajes das casas para que não fossem destruídos pela enxurrada", disse.  O subsecretário de Defesa Civil afirmou que a área central da cidade de Campos não foi afetada pela chuva e nem pelo transbordamento do rios.  Calamidade pública O comandante-geral do Corpo de Bombeiros e subsecretário de Defesa Civil, coronel Pedro Machado, negou que o secretário de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, tenha decretado neste domingo, 30, estado de calamidade pública em Campos dos Goytacazes, no norte fluminense, conforme notícia divulgada na imprensa. O coronel Pedro Machado está na cidade acompanhando as equipes de socorro que estão atendendo vítimas da inundação que atinge o município nas últimas três semanas. Segundo ele, foi decretada apenas situação de emergência em duas localidades na área rural: Lagoa de Cima e Ururaí. Ampliada às 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.