Vítimas de ataque a ônibus continuam internadas no Rio

Passados nove dias do ataque ao ônibus da Viação Itapemirim, incendiado durante a onda de atentados do crime organizado, três passageiras continuam internadas, com queimaduras: Maria Beatriz Furtado de Araújo, Fernanda Furtado e Maria da Penha Morais. O estado de Maria Beatriz e de Fernanda é grave - ambas precisam da ajuda de aparelhos para respirar.Maria Beatriz, modelo de 30 anos, está no Centro de Tratamento Intensivo (CTI) do Hospital São Lucas, em Copacabana. Ela sofreu queimaduras de segundo e terceiro graus, em 25% do corpo. O rosto, as vias aéreas, o tórax e as mãos foram as regiões mais atingidas. A modelo está sendo assistida por um cirurgião plástico desde que deu entrada na unidade. Ela provavelmente ficará com marcas das queimaduras, o que poderá atrapalhar sua carreira.Fernanda e Maria da Penha estão no Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Souza Aguiar, no centro da cidade. A primeira teve 54% do corpo queimado e ainda corre risco de morte. O quadro de Maria da Penha, que ficou com 20% do corpo com queimaduras, evolui bem. Oito pessoas morreram no coletivo, atacado na madrugada de 28 de dezembro, na zona norte.O inquérito policial que apura o caso está sendo tocado pela 22ª Delegacia Policial. Três pessoas estão presas: Graciel Mauricio do Nascimento Campos, de 18 anos, Cleber de Carvalho Fonseca, de 23, e Elzio Guilherme de Oliveira, de 23. Eles são de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e foram capturados no próprio dia 28, perto do ponto onde o veículo foi queimado. Todos negam participação no crime, mas foram reconhecidos por testemunhas e, quando encontrados, tinham marcas de queimaduras nas mãos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.