Vítimas de naufrágio no AM pode chegar a 50, diz prefeito

Ministério Público vai acompanhar investigações; presidente Lula desmonstrou pesar às vítimas do acidente

André Alves, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2008 | 20h09

O prefeito de Manacapuru, Washington Régis, afirmou nesta terça-feira, 6, que o número de vítimas do naufrágio do barco Comandante Sales 2008 pode chegar a 50. Até a tarde desta terça-feira, 6, 34 corpos haviam sido resgatados. De acordo com o prefeito, após o cruzamento de dados colhidos pelo serviço social da prefeitura com informações da polícia civil chegou-se à conclusão que ainda há pelo menos 20 pessoas desaparecidas.   Nesta terça-feira, equipes do Corpo de Bombeiros e da Marinha encontraram mais 17 corpos - seis mulheres, dez homens e uma criança do sexo masculino. Somadas às 17 pessoas resgatadas até segunda, subiu para 34 o número de vítimas fatais no acidente. Dos corpos achados, dois foram encontrados flutuando no encontro das águas dos rios Negro e Solimões, a pelo menos 30 quilômetros do local do acidente. As equipes de resgate trabalham num raio de 60 quilômetros à procura de outras vítimas.   "Os corpos estão começando a boiar" , comentou o prefeito de Manacapuru, Washington Régis, cidade onde residiam todas as vítimas do acidente. Na tarde de segunda-feira, 17 pessoas foram sepultadas no município. O barco Comandante Sales 2008 naufragou na madrugada do último domingo, no Rio Solimões, interior do Amazonas. A embarcação transportava brincantes de uma festa tradicional realizada a uma hora e 20 minutos (de barco) do município de Manacapuru.   Investigação   Promotores do Ministério Público Estadual do Amazonas anunciaram nesta terça-feira que vão acompanhar as investigações sobre as causas do naufrágio. A apuração está sendo conduzida pela Capitania dos Portos e pela 1ª Delegacia Regional de Manacapuru.   Um dos representantes da comissão, promotor Agnaldo Concy, lamentou a falta de dados precisos sobre o número de passageiros do barco. "Até o momento, o único número que dispomos é o de vítimas registradas pelo IML (Instituto Médico Legal)".   Concy disse que os dados "são importantíssimos" para ajudar as famílias das vítimas a requererem indenização dos proprietários do barco. Um deles, Francisco Sales, morreu no acidente. Segundo o MPE, os bens de Sales podem ser bloqueados pela Justiça e posteriormente repassados às famílias. Estima-se que 80 a 100 pessoas estivessem na embarcação no momento do acidente.

Tudo o que sabemos sobre:
naufrágioRio SolimõesAmazonas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.