Vítimas poderão fazer o próprio boletim de ocorrência, o B.O.

A vítima do crime chega à delegacia e encontra um desses terminais de auto-atendimento, como nos bancos. Começa a digitar sua história e faz seu próprio boletim de ocorrência. Criar o auto-atendimento nos plantões policiais é um dos projetos da Polícia Civil para facilitar o acesso à delegacia eletrônica aos que não têm internet em casa e melhorar o atendimento à população em São Paulo. A polícia pretende ainda ampliar os tipos crimes que podem ser registrados pela internet - hoje a opção só existe para furtos de documentos e de veículos.Aliada ao investimento em inteligência policial e a possível recriação do Departamento de Polícia do Consumidor (Decon), a melhora do atendimento à população é uma das prioridades do novo delegado-geral Mário Jordão Toledo Leme. Jordão tomou posse hoje no cargo em substituição ao delegado Marco Antônio Desgualdo. A cúpula da Polícia Civil está finalizando o plano de 100 dias do governo. Dele devem constar a integração da inteligência policial, a ampliação dos trabalhos de investigação de crimes eletrônicos, funcionais, contra a saúde e financeiros. O novo Decon englobaria esses setores.Jordão também pretende levar para todo o Estado o modelo adotado na região da cracolândia, na capital paulista. A polícia agiu em 2005 com fiscais da Prefeitura para combater o tráfico e o porte de armas, ao mesmo tempo que os fiscais verificavam condições de higiene, segurança e alvarás de estabelecimentos comerciais.No caso do atendimento à população, o delegado Aldo Galiano, diretor da polícia na capital, disse que criará um controle de qualidade do atendimento. Por amostragem, policiais telefonarão às vítimas de crimes para indagar sobre a satisfação com o serviço prestado. Ele prepara também uma operação contra roubos na Avenida Paulista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.