Viúva de milionário da Mega acusa advogado de roubo

A cabeleireira Adriana Almeida afirmou nesta quinta-feira ter sido roubada pelo advogado Alexandre Dumans, que teria levado jóias, um carro Audi e uma picape S-10 da sua casa. Ela esta presa desde 30 de janeiro, sob a acusação de ter planejado o assassinato do de Renné Senna, vencedor de R4 52 milhões na Mega Sena.Adriana prestou esclarecimentos nesta tarde ao titular da Delegacia de Homicídios, Roberto Cardoso. O depoimento foi pedido por Adriana, acompanhada de outro advogado, José Lindberg Freitas, que substituiu Dumans. A cabeleireira disse já ter pago R$ 300 mil a Dumans, que será indiciado pelo delegado sob a acusação de tráfico de influência."São fatos graves, alguns criminosos. Ele (Dumans) obrigou-a a mentir e plantou provas testemunhais em troca de dinheiro", declarou Cardoso. Uma das testemunhas, supostamente orientada por Dumans, teria pedido R$ 500 mil para depor em favor de Adriana. "Dumans pegou os carros e as jóias sem autorização e se recusa a devolver." O advogado foi procurado pelo Estado para ser entrevistado sobre as acusações, mas não foi localizado.Segundo o policial, apesar da acusação contra o ex-advogado, o depoimento não muda o rumo da investigação,que aponta Adriana como mandante da morte de Renné Senna. Além dela, presa desde 30 de janeiro, outras cinco pessoas estão na prisão sob acusação de participação no crime. Senna foi morto em 7 de janeiro, em um bar em Rio Bonito. Cardoso tem até o fim de março para concluir o inquérito, mas afirmou que pedirá a prisão preventiva dos acusados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.