Claudio Pinheiro/O Liberal
Claudio Pinheiro/O Liberal

Vizinhos de prisão no Pará relatam rotina de 'guerra'

Cercada de mata, a via situada na linha de fogo é pacata e longe de qualquer indício de urbanização. Tentativa de fuga deixou 21 mortos

Roberta Paraense, Especial para o Estado

11 Abril 2018 | 22h38

SANTA IZABEL (PA) -  “Essa guerra já virou rotina por aqui. Os bandidos entram e saem da cadeia quando bem querem. Eles comandam, e nós é que ficamos presos em casa”, desabafa Daiane da Silva, de 26 anos. A comerciante mora na Rua São Luiz, atrás do Complexo de Santa Izabel, onde está o Centro de Recuperação Penitenciário do Pará III (CRPP III). A cadeia de segurança máxima foi alvo de uma tentativa de resgate que terminou com 21 mortos e 4 feridos.

Cercada de mata, a via situada na linha de fogo é pacata e longe de qualquer indício de urbanização. Na tarde de ontem, o movimento era pequeno e quase não se viam pessoas e carros circulando. Daiane mora com mais cinco pessoas, entre elas uma criança de 5 anos. “O medo é de na troca de tiros alguém ser atingido ou um bandido entrar aqui em casa para se esconder”, comenta. 

Cruzando a BR-316, do outro lado do complexo, na Vila de Americano, a lei que predomina é do silêncio. Os moradores estão trancados em casa e, por trás do portão, a dona de casa Maria Silva, de 42 anos, dá poucas palavras. “Não podemos aparecer nem falar muito. Aqui é rota de fuga, temos medo de rebelião e de mais tiroteios.”

Manifestação. Após um protesto de 30 minutos, que bloqueou as duas vias da BR-316, às margens do complexo de Americano, familiares de detentos voltaram à porta do presídio e cobravam respostas. Aflitos, mães, pais e mulheres buscavam informações dos detentos. O clima na porta da cadeia é tenso e o patrulhamento no entorno foi reforçado.  Os corpos de oito mortos ainda aguardavam identificação. Quatro servidores feridos no conflito continuam internados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.