Claudio Pinheiro/O Liberal
Claudio Pinheiro/O Liberal

Vizinhos de prisão no Pará relatam rotina de 'guerra'

Cercada de mata, a via situada na linha de fogo é pacata e longe de qualquer indício de urbanização. Tentativa de fuga deixou 21 mortos

Roberta Paraense, Especial para o Estado

11 de abril de 2018 | 22h38

SANTA IZABEL (PA) -  “Essa guerra já virou rotina por aqui. Os bandidos entram e saem da cadeia quando bem querem. Eles comandam, e nós é que ficamos presos em casa”, desabafa Daiane da Silva, de 26 anos. A comerciante mora na Rua São Luiz, atrás do Complexo de Santa Izabel, onde está o Centro de Recuperação Penitenciário do Pará III (CRPP III). A cadeia de segurança máxima foi alvo de uma tentativa de resgate que terminou com 21 mortos e 4 feridos.

Cercada de mata, a via situada na linha de fogo é pacata e longe de qualquer indício de urbanização. Na tarde de ontem, o movimento era pequeno e quase não se viam pessoas e carros circulando. Daiane mora com mais cinco pessoas, entre elas uma criança de 5 anos. “O medo é de na troca de tiros alguém ser atingido ou um bandido entrar aqui em casa para se esconder”, comenta. 

Cruzando a BR-316, do outro lado do complexo, na Vila de Americano, a lei que predomina é do silêncio. Os moradores estão trancados em casa e, por trás do portão, a dona de casa Maria Silva, de 42 anos, dá poucas palavras. “Não podemos aparecer nem falar muito. Aqui é rota de fuga, temos medo de rebelião e de mais tiroteios.”

Manifestação. Após um protesto de 30 minutos, que bloqueou as duas vias da BR-316, às margens do complexo de Americano, familiares de detentos voltaram à porta do presídio e cobravam respostas. Aflitos, mães, pais e mulheres buscavam informações dos detentos. O clima na porta da cadeia é tenso e o patrulhamento no entorno foi reforçado.  Os corpos de oito mortos ainda aguardavam identificação. Quatro servidores feridos no conflito continuam internados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.