VLP chegará ao centro em 50 minutos

Tempo de viagem desde o extremo leste vai cair 58,4%; haverá baldeação na Estação Vila Prudente do Metrô

Eduardo Reina, O Estadao de S.Paulo

29 de abril de 2009 | 00h00

O preço da passagem do futuro Metrô Leve Expresso Tiradentes será o mesmo cobrado pelo Metrô: R$ 2,55. A projeção do sistema - que terá 22,3 quilômetros de extensão, entre a Vila Prudente e Cidade Tiradentes, na zona leste - é de diminuir em 58,4% o tempo de viagem do cidadão que sai do extremo leste da cidade e vai até a região central da capital, passando das atuais duas horas para 50 minutos. A velocidade do novo trem ficará entre 35 km/h e 40 km/h.Quem subir no metrô leve em Cidade Tiradentes deverá fazer baldeação na futura Estação Vila Prudente da Linha 2-Verde do Metrô. De acordo com o secretário municipal de Transportes, Alexandre de Moraes, não será necessário pagar outra passagem. O trecho entre Parque D. Pedro e Sacomã e até o terminal rodoviário da Vila Prudente continuará com os ônibus em operação.Deverão ser construídas 22 estações no novo percurso. Na primeira fase, entre Vila Prudente e São Mateus, que deverá entrar em operação em 2010, haverá 13 paradas em 12,8 quilômetros, e uma previsão de atender 300 mil pessoas por dia.Já a segunda etapa, com previsão de conclusão em 2012, deverá atender 150 mil pessoas por dia. Serão 9,5 quilômetros de extensão e nove estações. No total, a demanda total será de 450 mil passageiros/dia. Se fosse mantido o sistema antigo, com os ônibus, alega Moraes, seriam atendidos 240 mil passageiros/dia. Estima-se que 59 composições, com capacidade para transportar mil passageiros cada uma, sejam compradas para o novo ramal. O projeto propõe plataformas de 90 metros em cada uma das estações. De acordo com o secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella, não serão necessárias desapropriações ao longo do percurso e as avenidas por onde passará o elevado não perderão faixas de rolamento. Os pilares do sistema aéreo utilizarão cerca de 1,5 metro de largura da via. Pelo projeto enterrado ontem, seriam utilizados 8 metros de largura total da Avenida Luiz Inácio de Anhaia Melo. No solo, haveria passagem por cerca de 70 cruzamentos e/ou outras interferências viárias. "O custo vai ser muito menor e vai proporcionar qualidade ao transporte e também à vida dos usuários", diz Portella.A verba que seria utilizada no prolongamento do Fura-Fila será redirecionada, afirma Moraes, para a construção do Expresso Celso Garcia,na zona leste, e para outro corredor de ônibus na zona sul da capital. O projeto Fura-fila, que teve início com Celso Pitta e passou pelas gestões Marta Suplicy e José Serra, está com os dias contados. O objetivo agora é não utilizar mais essa modalidade de transporte. "Eu não tinha como meta concluir o Expresso Cidade Tiradentes, apenas concluir o trecho daquele maldito Fura-Fila", reclamou Serra, ao se referir à cobrança que recebeu por não ter finalizado as obras do trecho entre Parque D. Pedro e Sacomã. Tal trecho esteve na mira do Tribunal de Contas da União (TCU), por suspeita de superfaturamento de 145%. A obra custou pelo menos R$ 1,5 bilhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.