Volta do vale-transporte para desempregados é impossível, diz Marta

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, classificou de ?armadilha? o processo movido por três sindicatos ligados à Força Sindical, para retomada do pagamento de vale-transporte para os trabalhadores desempregados do município de São Paulo. ?Adoraria poder atender a esse pedido, mas nós temos mais de 1,2 milhão de desempregados na cidade de São Paulo e a Força sabe que nós não temos a mais leve possibilidade de poder fazer algo nesse sentido?, afirmou a prefeita.A juíza Simone Gomes Rodrigues Casoretti, da 14ª Vara da Fazenda Pública, acatou nesta semana mandados de segurança impetrados pelos sindicatos, que têm como base o cumprimento da Lei 10.854, de 1990, da gestão da ex-prefeita Luíza Erundina (PSB), que previa o vale-transporte para desempregados. O benefício foi suspenso na gestão do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB).Segundo Marta, apesar de não ter condições de arcar com o fornecimento de vale-transporte para os desempregados, a prefeitura tem que pensar em alguma outra alternativa para os desempregados. ?Nós realmente não teríamos condições financeiras para arcar com o vale-transporte, basta olhar a questão do transporte na cidade, a questão financeira do transporte em particular e a questão financeira da cidade como um todo. São Paulo é uma cidade que arrecada bem menos do que necessita para sua manutenção?, afirmou.Programas sociaisA prefeita ressaltou ainda que seu governo está investindo em áreas paralelas, por meio de programas sociais, que têm um resultado direto para o desempregado. ?Injetar R$ 2 milhões numa região da cidade, num bairro que tem mais de 20% de desempregados, acaba dinamizando a economia?, diz. Marta diz que as pesquisas confirmam o resultado. Segundo ela, a arrecadação com Imposto sobre Serviços (ISS) dessas regiões carentes, onde há programas sociais, cresceu 12%, enquanto no resto da cidade caiu 9%. Ela explica que isso acontece porque as pessoas estão comprando e estão gerando empregos nessas regiões. ?A situação financeira não nos permite dar vale-transporte para 1,2 milhão de desempregados, por mais que eu ache justo, correto e tenha vontade de fazê-lo?, repetiu. Informações de pessoas ligadas à prefeitura afirmaram que a prefeita deve recorrer da decisão, já na próxima segunda-feira. CETA prefeita afirmou, ainda, que a terceirização dos ?marronzinhos? da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), não é uma alternativa analisada no momento pelo prefeitura, para evitar transtornos como o da última sexta-feira, quando a categoria fez uma greve, deixando o trânsito da cidade um verdadeiro caos. ?Haverá sim um enxugamento na CET, mas não tem nada haver com a greve dos marronzinhos. Trata-se do programa de austeridade, enxugamento e maximização de trabalho do governo federal?, afirmou. Ela diz que os primeiros cortes deverão ser dos postos que tem os salários mais altos. A prefeita inaugurou hoje, em São Paulo, a 47ª unidade do Telecentro, no Jardim Autódromo, na zona Sul da cidade. O espaço, com computadores, faz parte do programa governo eletrônico, de inclusão digital.

Agencia Estado,

23 de fevereiro de 2003 | 11h59

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.