Voluntários fazem distribuição de mantimentos
Voluntários fazem distribuição de mantimentos

Voluntários encontram centros de coleta fechados no ES

Por falta de veículos públicos para atender atingidos, distribuição de doações está sendo feita por carros particulares e caminhões de empresas

Bruno Ribeiro, O Estado de S. Paulo

24 Dezembro 2013 | 09h47

Texto atualizado às 12h55.

VITÓRIA - Voluntários que queriam passar a madrugada coletando e distribuindo mantimentos em Vila Velha, região metropolitana de Vitória (ES), encontraram portões fechados no Tartarugão, ponto organizado pela Prefeitura para coletar e distribuir doações vindas de toda a cidade, na noite desta segunda-feira (23).

Até agora, 14 pessoas morreram e cerca de 46 mil estão desabrigadas por causa das fortes chuvas que atingem o Estado, segundo a Defesa Civil. Nesta terça, 24, a presidente Dilma Rousseff estará na região.

Moradores de Vila Velha contam que, por falta de veículos públicos para atender os atingidos, carros particulares e caminhões de empresas estão fazendo o serviço.

"Passamos o dia percorrendo a cidade, principalmente o Jardim Mazilandia, onde a situação é crítica. As pessoas estão com fome, nem dá para conversar direito com elas. Queríamos passar a noite levando alimentos para elas, mas o centro de distribuição fechou às 22h", conta o empresário Joy Dias Araújo, de 30 anos.

"Tem muita doação que chega lá. O problema é que não tem gente para levar até os bairros", afirma o estagiário Igor Modoto Nogueira, de 25 anos.

A orientação passada pelos funcionários da Prefeitura de Vila Velha aos voluntários era oferecer ajuda no centro de distribuição de Vitória, localizado na Praça do Papa, região turística da cidade -- local que já tem mil toneladas de mantimentos. Mas o expediente do local também se encerrou às 22h.

"Como podem parar, sem organizar turnos? As pessoas isoladas estão sem beber, sem material de higiene, é uma situação desesperadora", contou outro voluntário.

Em Vitória, carros particulares não pararam de chegar durante a noite com doações. Quem queria distribuir o material para os necessitados ficou para ajudar a descarregar e organizar mantimentos, águas e roupas.

A informação era que, nos supermercados, tanto as cestas básicas quanto os garrafões de água estavam em falta.

A reportagem não conseguiu contato com representantes das Prefeituras de Vitória e Vila Velha para entender porque os centros estavam fechados. Uma funcionária do centro de Vitória criticou a Prefeitura, dizendo que a burocracia estava atrapalhado a ajuda voluntária.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.