Emma Foster/EFE
Emma Foster/EFE

Voo 447 levou três minutos e meio para cair e teve velocidades inconsistentes

Segundo relatório preliminar feita pelo BEA, aeronave teve pane eletrônica e queda bastante rápida

Estadão.com.br,

27 de maio de 2011 | 08h14

SÃO PAULO - O relatório parcial sobre o acidente com o AF 447 foi divulgado na manhã desta sexta-feira, 27, e aponta que o avião demorou cerca de três minutos e meio para cair, em alta velocidade, no Oceano Atlântico. Conforme a análise parcial das caixas-pretas feito pelo Escritório de Investigação e Análise para a Aviação Civil (BEA), por cerca de um minuto, a aeronave apresentou duas velocidades aos pilotos que estavam na cabine.

 

Segundo o BEA, apesar de o comandante não estar na cabine - ele havia saído para descansar, deixando os dois copilotos no comando -, a composição da tripulação estava em conformidade com os procedimentos, incluindo os nove comissários de bordo. O capitão voltou para a cabine cerca de um minuto e meio depois de o piloto automático ser desligado e logo após a aeronave começar a cair.

 

O relatório aponta ainda que as turbinas estavam funcionando normalmente e que responderam a todos os comandos da tripulação. O piloto mais novo da tripulação estava no comando quando a aeronave começou a cair, e passou o comando ao segundo piloto um minuto antes de atingir o mar.

 

Como ocorreu. Previsto para partir às 22h, o AF 447 recebeu autorização para ligar os motores e deixar o pátio às 22h10. O avião, com com 216 passageiros e 12 tripulantes, decolou do aeroporto do Galeão, no Rio, às 22h29. O destino: Aeroporto Charles de Gaulle, em Paris.

 

Conforme o relatório, à 1h59, o piloto passou o comando da cabine para os dois copilotos, quando foi informado "um pouco de turbulência que você acabou de ver (...) devemos encontrar outras mais à frente". Antes de sair, o piloto ainda afirma que "infelizmente não podemos subir muito mais agora porque a temperatura está diminuindo menos rapidamente do que o esperado". Ele sai da cabine.

 

Às 2h06, um dos copilotos avisa aos comissários de bordo que "em dois minutos devemos pegar uma área mais agitada (de turbulência) e devemos tomar cuidado". "Aviso quando sairmos de lá", finaliza. Dois minutos depois, o comandante sugere uma alteração de rota para a esquerda. Após movimentação de 12 graus na rota, a turbulência aumenta um pouco mais e a tripulação diminui a velocidade do avião.

 

O piloto automático da aeronave é desligado às 2h10, quando um dos copilotos avisa "Eu tenho os comandos". Em seguida o avião é puxado para a direita e o piloto faz tração para a esquerda e de elevação do nariz. O alarme de perda dispara duas vezes e duas velocidades passam a ser mostradas à tripulação da cabine - o da esquerda aponta queda brusca de altitude. "Perdemos as velocidades", alerta um dos copilotos.

 

Com a elevação do bico, a aeronave começa a subir e ganha altitude: chega a cerca de 11.500 metros. A velocidade na subida cai de 2.000 metros/minuto para 200 metros/minuto. A aeronave começa a chacoalhar de lado a lado. Os copilotos chamam o comandante e o alarme de queda volta a soar. A velocidade do painel esquerdo volta a subir, abruptamente, e os pilotos continuam com a aeronave com o bico levantado. As duas velocidades mostradas, então, voltam a ser as mesmas.

 

A aeronave continua a subir e chega a pouco mais de 11.500 metros. Às 2h11 o comandante volta à cabine e, em seguida, todas as velocidades se tornam inválidas e o alarme de perda para de soar, pois o valor chegou a um nível baixo o bastante para ser desconsiderado pelo sistema. O AF 447 perdeu, então, 900 metros de altitude e começa a cair a 3.000 metros por minuto, chacoalhando fortemente. Por mais 30 segundos, o copiloto pressiona o manche ao limite para o lado esquerdo e para cima.

 

Às 2h12, um copiloto reclama "Eu não tenho mais nenhuma indicação". O comandante responde: "Não temos nenhuma indicação que seja válida". Às 2h13 são registradas ações nos dois mini-manches e o copiloto passa o comando ao colega. "Vamos lá, você tem os comandos", avisa. Um minuto depois, as caixas-pretas param de registrar ações no interior do avião.

 

Todos as pessoas à bordo morreram no acidente.

 

Veja também:

linkPane provocou decisão que causou queda

linkAirbus diz que análise é 'significante'

documento Leia o relatório do BEA completo

especialPasso a passo do acidente com AF 447 

 

 

Atualizado às 09h50

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.