Voo 447: primeira etapa da identificação começa em Noronha

Ajuda de familiares será no fornecimento de material genético, informações detalhadas das vítimas

Angela Lacerda, de O Estado de S. Paulo,

07 de junho de 2009 | 20h05

Os primeiros corpos de vítimas do acidente do Airbus da Air France começarão a ser identificados tão logo cheguem a Fernando de Noronha, o que está previsto para ocorrer na terça-feira, 9. "Esse trabalho começa agora e não tem fim, até que o último corpo recolhido seja identificado", afirmou neste domingo, 7, o coordenador da equipe de peritos no Arquipélago, o perito criminal de Medicina da Polícia Federal, Jeferson Evangelista Correia, que destacou a importância dos familiares no processo de identificação.

 

Veja também:

video Vídeo: Operação de resgate

som Ouça as declarações da noite deste sábado

som Ouça a coletiva da manhã deste sábado

lista Todas as notícias sobre o Voo 447

especialEspecial: Os desaparecidos do voo 447

especial Especial: Passo a passo do voo 447

lista Air France divulga lista de brasileiros no Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: buscas do Voo 447

mais imagens Galeria de fotos: homenagem às vítimas

blog Blog: histórias de quem quase embarcou

especial Conheça o Airbus A330 desaparecido no trajeto Rio-Paris  

especialCronologia das tragédias da aviação brasileira

especial Cronologia dos piores acidentes aéreos dos últimos dez anos

video TV Estadão: Especialista fala sobre o acidente

linkDestroços e óleo recolhidos não são do Airbus, diz Aeronáutica

linkSem informação sobre Voo 447, França cogita até terrorismo

 

"No nível de identificação visual, os familiares não podem ajudar", observou. A ajuda será no fornecimento de material genético, informações detalhadas das vítimas - cicatrizes, procedimentos cirúrgicos - e reconhecimento de pertences e vestes. Os objetos, que serão fotografados, poderão passar por um reconhecimento preliminar, em qualquer parte do Brasil, através das regionais da Policia Federal. A PF já acionou a Interpol, segundo ele, para que o mesmo possa ocorrer com as famílias das vítimas de 32 nações atingidas pelo acidente.

 

A equipe baseada em Noronha - um total de oito peritos, cinco deles da Polícia Federal e três da polícia civil pernambucana - está encarregada da primeira etapa da identificação, que inclui a coleta de material que possa ser encaminhado para exame de DNA em Brasília e de impressões digitais dos corpos que apresentarem esta condição. Também no arquipélago serão catalogados eventuais pertences das vítimas - anéis, relógios, brincos, vestes.

 

"Sabemos que existe um clamor social por esse encaminhamento de corpos, mas a gente não pode atropelar o trabalho técnico", afirmou Jeferson Correia, ao destacar a importância de se conseguir coletar o material de maneira adequada e de qualidade, mesmo que isso demande mais tempo. Isto porque, numa segunda etapa, os corpos serão encaminhados para o Instituto de Medicina Legal (IML), no Recife, para exames de natureza antropológica. "Não se vai repetir o exame de dedo (no Recife) porque não ficou bom, por isso o corpo só sai daqui a partir do momento em que esgotarmos todos os meios de colher aqui uma boa impressão digital", exemplificou.

 

 

Etapa inicial

 

Ainda sem ter conhecimento do estado dos corpos, ele estimou que esta etapa inicial de identificação poderá durar algumas horas, mas não deve durar mais de um dia. Isto significa que se os corpos forem recebidos hoje (8) devem seguir para o Recife ainda na Terça-feira.

 

Ao mesmo tempo em que os corpos forem levados para o Recife, as digitais coletadas seguirão direto para a superintendência da Polícia Federal naquela capital, para tentativa de cruzamento desses dados através do sistema da PF chamado AFIS, de identificação automatizada de impressões digitais. Já o material genético que se consiga colher seguirá direto para os laboratórios da PF em Brasília, para ser confrontado com o material genético de familiares das vítimas que está sendo coletado por outra equipe da Polícia Federal no Hotel Windsor, no Rio.

 

Ele aprovou a estrutura montada em Fernando de Noronha pela Aeronáutica: espaço, mesas para receber os corpos e dois contêineres frigoríficos com temperatura adequada, com capacidade para armazenar uma centena de corpos. "Vai ser um trabalho contínuo, uma engrenagem, uma roda vida para conseguir dar uma resposta no mais curto espaço de tempo possível para a sociedade", assegurou.

 

O passo a passo desta primeira etapa de identificação: primeiro, os corpos serão numerados de forma sequencial. "Uma numeração de ordem, que a gente vai seguir com os exames até o final", disse Correia. "Todos os vestígios tirados do corpo receberão a mesma numeração, um sistema de segurança para evitar extravio". O segundo passo consiste do trabalho fotográfico do estado do corpo e todas as suas características, inclusive vestes. O terceiro será a coleta de digitais e material genético.

 

A equipe de peritos - dois da área de medicina, um da área de odontologia,um químico perito em DNA e um papiloscopista da PF e um médico legista, um papilocoscopista e um auxiliar de necropsia da polícia civil estadual - pode ser reforçada de acordo com a demanda.

 

17 corpos

 

O Centro de Comunicação da Aeronáutica e da Marinha anunciaram na noite deste domingo, 7, que 17 corpos foram resgatados na área de buscas, além de dezenas de novos componentes estruturais do Airbus A330-200, da Air France, que caiu no Oceano Atlântico há uma semana.

 

De acordo com o tenente coronel Henry Munhoz, assessor de comunicação da Aeronáutica, a fragata Constituição está a caminho de Fernando de Noronha com os cinco corpos resgatados anteriormente e mais quatro recolhidos ao longo do dia. Desses, quatro são de homens, quatro de mulheres, e um não foi possível a identificação. Ainda segundo Munhoz, nesta tarde, outros oito corpos foram resgatados pela fragata francesa Ventôse, que se encontra na área de busca. Segundo as autoridades, outros corpos foram avistados e o resgate será feito por outras embarcações que estão no local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.