Vôos em Congonhas serão reduzidos em quase 50%

Uma semana depois de um avião da BRA derrapar no pouso num dia de chuva e a Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero) garantir que a pista principal do Aeroporto de Congonhas estava em perfeitas condições, foi anunciada uma reforma completa da pista, a partir de junho. O anúncio aconteceu na tarde desta quinta, 30. Num período de 60 dias, os pousos e decolagens serão reduzidos de 48 por hora para 26, um recuo de 45,8%. Os vôos serão redirecionados para os Aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e Viracopos, em Campinas. O presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira, admitiu que a drenagem na pista é mais lenta do que deveria e que o caimento da água precisa ser corrigido.Essa mudança, a princípio temporária, pode se tornar permanente para parte dos vôos. A capacidade para Congonhas operar com conforto é de 12 milhões de passageiros, mas recebeu 17 milhões no ano passado. As companhias aéreas defendem uma redução de apenas 30% no total de vôos, ou seja, querem que seja permitido maior movimento na pista auxiliar do que o aceito atualmente. A Infraero promoverá reuniões para discutir o assunto. O próximo encontro será na próxima quinta-feira, no auditório da estatal no próprio aeroporto.A Infraero estima que dentro de 20 dias será concluído o relatório de análise do incidente envolvendo o Boeing da BRA, que derrapou na pista de Congonhas no dia 22. O presidente da BRA, Humberto Folegatti, disse que a questão de segurança atualmente é mais importante que os interesses comerciais, mas defendeu o uso de maior número de licenças de pouso e decolagens para a empresa no aeroporto paulistano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.