Votação sobre castração química é adiada no Senado

Projeto de lei que prevê a pena para pedófilos deve passar pela CCJ na próxima quarta-feira

Agência Brasil,

16 de setembro de 2009 | 14h54

Sem o número de senadores necessário para dar andamento à votação do projeto de lei que inclui a castração química nas penas previstas para o crime de pedofilia, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Demóstenes Torres (DEM-GO), transferiu a apreciação da matéria para a reunião da próxima quarta-feira. O projeto prevê esse tipo de pena para autores de crimes de estupro, atentado violento ao pudor ou corrupção de menores contra pessoas de até 14 anos de idade.

 

Veja também:

linkOAB-SP discorda de PL que autoriza castração química

linkSargento é espancado no Rio sob acusação de pedofilia

linkPF prende sete pessoas em operação contra pedofilia

linkVice-prefeito é preso em audiência da CPI da Pedofilia no MA

especialSaiba como proteger as crianças dos perigos na web

 

A castração química já é aplicada em países como os Estados Unidos e o Canadá e está em fase de implantação na França e Espanha, segundo o relator Marcelo Crivella (PRB-RJ). Pela proposta, na primeira condenação, o pedófilo beneficiado pela liberdade condicional poderá voluntariamente ser submetido, antes de deixar a prisão, ao tratamento hormonal para contenção da libido, sem prejuízo da pena aplicada.

 

A partir da segunda condenação, uma vez beneficiado pela liberdade condicional, o pedófilo será obrigado a passar pela castração química. Crivella ressalta em seu parecer que a pena, caso o projeto seja aprovado pelo Congresso e sancionado pelo presidente da República, deve ser aplicada como última opção a pedófilos que não apresentarem melhoras com o uso de outras drogas e psicoterapia.

 

Uma das emendas apresentadas ao projeto de lei em análise na CCJ prevê a redução da pena em um terço para os condenados pela prática de pedofilia que se submeterem voluntariamente ao processo de castração química, caso os tratamentos alternativos não deem resultados.

 

Como tramita em caráter terminativo, se for aprovada na comissão, a castração química de pedófilos segue direto para apreciação da Câmara dos Deputados, sem necessidade de ser votada pelo plenário do Senado.

 

Entenda como outros países lidam com a castração

 

Estados Unidos: Primeiro país a adotar a nova terapia. A castração química de pedófilos é utilizada em oito Estados.

 

Alemanha: Corte Constitucional cassou a lei por entender ser flagrante a inconstitucionalidade do método, que viola os direitos individuais e humanitários.

 

Itália: Projeto sugere que aquele que aceitar a castração química poderá descontar pena em prisão domiciliar. Caso suspenso o tratamento, que é reversível, o beneficiado voltará ao cárcere.

 

França: A castração química é voluntária para o pedófilo julgado perigoso socialmente.

 

Espanha: Em discussão. A Justiça disponibilizou, online, a consulta a banco de dados sobre processos em curso de suspeitos e condenados.

 

Inglaterra: Castração só com consentimento.

Tudo o que sabemos sobre:
pedofiliacastração químicaCCJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.