Voto distrital vira polêmica entre acadêmicos

Apesar das campanhas em defesa do voto distrital, visto como solução para a crise de representatividade dos políticos brasileiros, um debate de cinco horas, sobre o assunto, ontem em São Paulo, revelou que ele não é consenso nem entre os acadêmicos.

Gabriel Manzano, O Estado de S.Paulo

14 Setembro 2011 | 00h00

No evento "Voto distrital ou majoritário?", promovido pelo Instituto Millenium, na Fecomércio, analistas como Luiz Felipe d"Ávila, José Álvaro Moisés, Eduardo Graeff, Samuel Pessoa e Carlos Pereira, entre outros, desfiaram argumentos em defesa das duas fórmulas - deixar tudo como está ou introduzir o voto distrital numa reforma política que já está tramitando no Congresso, em Brasília.

D"Ávila, palestrante e moderador, lembrou que com o voto distrital "80% dos atuais políticos se reelegeriam". Cláudio Lembo foi mais radical: "Desde os anos 80 dizem que o distrital vai salvar o Brasil. Não vai não", bradou o ex-governador. Que, em seguida, pôs a culpa na mídia, "pois há poucos órgãos e uma verdade só". O deputado Arnaldo Madeira centrou o foco na má representação e advertiu: "Campanhas contra a corrupção, no passado, elegeram Jânio Quadros e Fernando Collor".

Não houve acordo sobre se o distrital reduz ou não a corrupção. Carlos Pereira, da FGV, descartou essa tese e concluiu que "não há sistema ideal, todos têm prós e contra. A sociedade é que "tem de escolher se quer um sistema com maior eficiência e menor representatividade, ou o contrário".

A polêmica se instalou entre o analista Alberto de Almeida e Orjan Olsen, da Analítica Consultoria. Almeida expôs um quadro crítico do voto distrital, citando maus resultados que ele trouxe na política dos Estados Unidos e da Inglaterra. Depois dele, Orjan Olsen apresentou uma projeção de como estaria o Brasil hoje, se os votos de 2008 e 2010 fossem contados dentro de uma regra de voto distrital. Sua conclusão: a nova fórmula não leva ao bipartidarismo, como se apregoa. E, na prática, saem perdendo os evangélicos, as celebridades, o agronegócio, os filhos de políticos e os radialistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.