Voto solitário optou apenas por ''censura''

Voz dissonante no julgamento do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), o conselheiro Achiles Siquara votou contra a demissão do ex-procurador-geral de Justiça do Distrito Federal Leonardo Bandarra.

, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2011 | 00h00

Siquara havia pedido vista do julgamento e foi responsável por adiar a decisão por um mês. Ontem, o conselheiro disse não ver provas suficientes, em nenhuma das acusações contra Bandarra, para determinar sua demissão.

Siquara entendeu que Bandarra mereceria apenas uma censura. E, mesmo assim, em virtude da passagem do tempo, a punição já estaria prescrita. Ele, no entanto, acompanhou os colegas para determinar a punição severa de Deborah Guerner.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.