"Vou acabar com o bolsa-banqueiro", afirma Alckmin

O presidente e candidato à reeleição, Luiz Inácio Lula da Silva, perguntou no primeiro bloco do debate da Rede Record, nesta segunda-feira, ao candidato pelo PSDB, Geraldo Alckmin, sobre suas propostas para a indústria naval. O tucano ressaltou que a crise nesta área vem da década de 70 e afirmou que seu compromisso será prestigiar o setor produtivo, que irá privilegiar as empresas, em vez de banqueiros, como, segundo ele, foi feito no governo Lula. "Vou acabar com o bolsa-banqueiro", atacou. "Quando ele (Lula) assumiu, tínhamos oito milhões de desempregados; hoje, temos nove", afirmou o candidato tucano. "Meu compromisso é com quem trabalha e com quem produz. As indústrias brasileiras não serão sucateadas como estão sendo hoje. Estamos exportando emprego e importando produtos", declarou Alckmin."Esses banqueiros são ingratos, porque ganharam de mim e votam no Alckmin", rebateu o petista. "Quero que ganhem dinheiro como estão ganhando, emprestando. Prefiro isso do que quebrarem que nem o Proer no governo passado", disse Lula em referência ao programa de recuperação dos bancos durante a gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.O presidente voltou a falar das conquistas de seu governo apesar de "toda desgraça" que Alckmin conta. "Temos superávit comercial com a China. São US$ 134 bi ao contrário dos US$ 60 bi no tempo em que governaram o Brasil", referindo-se aos oito anos de PSDB. Alckmin replicou dizendo que "Lula gosta de ironia, mas questões no Brasil são mais sérias". O candidato tucano disse ainda que o "Brasil anda como caranguejo, anda de lado. Enquanto o mundo inteiro cresce. É preciso melhorar saúde, educação, e acabar com o aparelhamento do Estado".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.