Vulcão chileno afeta voos de cinco companhias no Brasil

Operações para Argentina e Uruguai foram prejudicadas em São Paulo, Porto Alegre e no Rio

Carolina Spillari, estadão.com.br

08 Julho 2011 | 17h41

SÃO PAULO - O Aeroporto Internacional de Guarulhos (Cumbica), o Salgado Filho, em Porto Alegre, e o Galeão, no Rio, têm voos cancelados da Aerolíneas Argentinas, LAN, Pluna, TAM e Qatar no início da noite desta sexta-feira, 8. A causa é a volta das cinzas do vulcão chileno ao espaço aéreo no sul do Brasil e países vizinhos, informou a Infraero.

 

Os voos para os aeroportos Aeroparque e Ezeiza, em Buenos Aires, foram suspensos na manhã desta sexta-feira. O Comitê de Emergência anunciou que todos os voos estão suspensos, tanto as chegadas quanto as partidas. O vulcão voltou a lançar cinzas no espaço aéreo no último dia 4.

 

A LAN disse ainda que o voo da manhã para Buenos Aires foi cancelado, mas o da noite está mantido. A TAM confirmou dois cancelamentos para o Uruguai, e a GOL afirmou que opera normalmente.

 

A Aerolíneas Argentinas informou que cancelou ao todo 70 voos, na maioria procedentes de Buenos Aires para cidades chilenas, argentinas, uruguaias, paraguaias e brasileiras.

 

Cumbica. A Aerolíneas Argentinas cancelou três chegadas no Aeroporto de Guarulhos na tarde desta sexta-feira, 8. Dois voos viriam de Buenos Aires (01274 às 13h05 e 01220 às 14h) e outro chegaria de San Carlos De Bariloche (01298 às 0h30 do sábado, 9.)

 

Ainda foram suspensas quatro partidas da Aerolíneas Argentinas para Buenos Aires (01275 às 13h15, 01221 às 15h25, 01225 às 23h30 e 01277 às 20h40).

 

Já a LAN suspendeu apenas uma chegada de Santiago (00774 às 13h30) e mais uma partida para o mesmo destino (00775 às 14h15). A companhia informou que os voos LA774 e LA775 são extras e começarão a ser operados no próximo domingo.

 

A Pluna cancelou uma chegada de Montevidéu (00624 às 14h50) e duas partidas para a capital do Uruguai (00625 às 15h30 e 00237 às 22h30). Um voo da Pluna está atrasado para seguir para Montevidéu (00619 às 13h15).

 

A TAM cancelou um voo ida e outro de volta de Montevidéu (08046 e 08047). A Qatar cancelou uma partida para Buenos Aires (00921 às 17h40).

 

Salgado Filho. Entre 13h às 18h foram suspensas quatro partidas e mais três chegadas em função das cinzas.

 

Das chegadas canceladas, um voo foi da Aerolíneas Argentinas que sairia de Buenos Aires (01228 às 13h20) e mais um da Gol (07489 às 17h09) com origem também em Montevidéu.

 

A Pluna teve uma chegada suspensa de Montevidéu (00626 às 14h11) e uma partida com o mesmo destino cancelada (00627 às 14h57).

 

Ds partidas programadas e canceladas, uma delas iria para Montevidéu (07488 às 13h15) da Gol, outra duas para Buenos Aires da Aerolíneas Argentinas (01229 às 14h e 01277 às 20h40), mais uma para Punta de Leste da BQB Linhas Aéreas (02315 às 14h) e outra iria de Rivera para Montevidéu (00619 às 18h45), no Uruguai.

 

Rio. No Aeroporto do Galeão, duas chegadas da Pluna de Montevidéu foram suspensas nesta sexta-feira (00222 às 14h39 e 00616 às 14h39). Também outras duas partidas com o mesmo destino foram canceladas (00223 às 15h30 e 00617 às 15h30).

 

Retomada. Às 19h, a Pluna informou que retomou a programação de seus voos. A companhia aérea uruguaia explicou que a nuvem de cinzas vulcânicas se afastou do espaço aéreo de suas rotas e as operações devem continuar durante a noite.

 

Estão previstos dois voos com saída de São Paulo em direção a Montevidéu (PU619 às 18h30 e PU637 às 22h30). Também estão previstas saídas de Montevidéu destinos brasileiros como São Paulo (PU630 às 19h20), Campinas (PU670 às 20h25), Brasília (PU622 às 21h40) e Rio de Janeiro (PU632 às 01h35 do dia 9 de julho).

 

A Pluna também prevê saídas de Montevidéu para Buenos Aires (PU173 às 20h15), de Buenos Aires para Punta del Este (PU130 às 21h40), Montevidéu para Santiago (PU401 às 22h), Montevidéu para Córdoba (PU296 às 22h20), Punta del Este para Buenos Aires (PU135 às 23h) e Montevidéu para Assunção (PU705 às 23h10).

 

Instabilidade. O processo da erupção continua e é possível que volte a apresentar um aumento na atividade. Os perigos vulcânicos se reduzem a queda de cinzas finas e lahares (movimento de massa das regiões vulcânicas) secundários, informou o Serviço Nacional de Geologia e Mineração do Chile (Sernageomin) em boletim emitido na quinta-feira.

 

Texto atualizado às 19h05.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.