Zona Azul em rua de bairro

Carta 19.827A quadra onde moro da Rua Eça de Queirós é residencial, mas tem zona azul. Não entendo a razão, pois isso atrapalha a vida de quem mora em prédios sem garagem.Outro dia entrei no prédio e demorei alguns minutos, mas fui multado. Parece que o guarda estava atrás do poste, esperando! Só que deixam estacionar nos dois lados da Bueno de Andrade, que é estreita, e onde tem de tudo: carros velhos, caminhões de descarga, e até passa um ônibus elétrico para o centro que toma toda a largura da rua.JOSÉ LEILSON BEZERRA DIASVila MarianaA CET responde:"A Eça de Queirós tem zona azul entre a Domingos de Morais e a Cel. Oscar Porto (duas quadras), porque não é possível estacionar na Rua Cubatão, um eixo comercial de tráfego intenso, sendo necessário manter zona azul nessas duas quadras em apoio ao comércio da região. Quem mora na área pode usar o Cartão Estacionamento Morador, válido de 2.ª a 6.ª das 7 às 10 e das 17 às 19, e aos sábados das 7 às 13, por taxa mensal de R$ 70,63 e renovação a cada 6 meses. Infos no Dep. de Autorizações Especiais do DSV, tel. (011) 3216-3022/3812-3281. Ref, à Bueno de Andrade, devem-se manter a condição de de operação atual, pois constatou-se que o volume de carros é baixo, sem lentidão. A rua, entre Espírito Santo e Pires da Mota, tem mão dupla e 11m de largura. No trecho entre Pires da Mota e Tamandaré (9,40m de largo), a mão é única. Perto da Rua Tamandaré a largura passa para 8,80m; há um ponto de passagem para ônibus e o estacionamento é proibido."Carta 19.828Cartas sem resposta 11Valdinei Bento (Praia Grande) escreveu em 10/6 que sobe a serra diariamente para trabalhar em São Paulo. Desde maio a Ecovias, que administra o sistema Anchieta-Imigrantes, faz reparos na pista de subida da Imigrantes, desviando ônibus e caminhões para a Anchieta. Por que a liberação da pista não pode ser mais cedo, pergunta, já que entre 5 e 7h30 há trabalhadores que sobem do litoral para São Paulo?A Ecovias não respondeu. André Puchalski reclamou em 3/6 da multa emitida em 29/9/07, por ?estacionar em local proibido/condutor não identificado?. Ele contestou dizendo que parou o carro atrás de um ônibus, seu filho desceu, e ele saiu pela porta do passageiro e assumiu a direção, esperando alguns segundos, pois o ônibus estava parado. Qual o critério para a multa? pergunta. A CET não respondeu. Renato Rea Goldschmidt (Itaim Bibi) escreveu em 2/6 não para questionar multa, "já que a resposta é padrão", mas a atitude do guarda. Ele foi multado por conversão proibida à esquerda na Av. Prof. Abraão de Morais com Elisa Silveira, num sábado à tarde, com o local congestionado. Ele pretendia escapar do trânsito, respeitou os semáforos, e não havia sinalização proibindo a conversão. Ele deu seta à esquerda antes de virar, e o guarda, vendo isso, em vez de orientá-lo, deixou-o cometer a infração para multar. A questão: os guardas devem impedir o delito ou apenas multar?A CET não respondeu. Ricardo Bravo Caldeira (Perdizes) reclamou em 1/6 que há 4 anos há um templo evangélico na Rua Turiaçu que perturba o trânsito, pois além de aumentar o fluxo, os carros estacionam ilegalmente. A CET foi chamada e veio fiscalizar, mas não multou ninguém.A CET não respondeu. Ronaldo Marinho Amaro de Souza (Jaçanã) escreveu em 30/5 sobre os carros que trafegam na Av. Jaçanã e não dão passagem para quem vem da Rua Calandra. Ele pediu à CET sinalização mais adequada (não só placa de Pare). A CET não respondeu. Alfredo Fernandes (Anhangüera), disse em 5/6 que já reclamou à coluna e à Prefeitura, pela internet e pelo 156, para pedir repintura das faixas de solo para pedestres no cruzamento da Rua Artur de Azevedo com a Rua Lisboa, em Pinheiros. Pela coluna, ele recebeu e-mail da Prefeitura informando que o serviço seria feito - mas, meses depois, nada foi feito e o problema continua. A CET não respondeu. Luís Ruiz da Silva (Itaim Paulista) escreveu em 9/6 contando que abriu protocolo na Prefeitura pedindo instalação de um semáforo para pedestres na Rua Tibúrcio de Souza, altura do 3.550, esquina com as Ruas Conquista e Margarida Carlos de Albuquerque. A Ouvidoria disse que o projeto fora aprovado, mas aguardava verba. O leitor pergunta; "Se a Prefeitura tem dinheiro para tantos outros assuntos, por que não o usa para colocar sinais de trânsito?"A CET não respondeu.Correspondência para São Paulo Reclama: e-mails para spreclama.estado@grupoestado.com.br; cartas para Av. Eng.º Caetano Álvares, 55, 6.º, CEP 02598-900 ou fax 3856-2929, com nome, end., RG e tel., a/c de CECILIA THOMPSON, podendo ser resumidas a critério do jornal. Cartas sem esses dados não serão consideradas. As respostas não publicadas serão enviadas pelo correio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.