Zôo de SP confirma morte de mais três animais

O Zoológico de São Paulo confirmou no início da noite deste sábado a morte simultânea de mais três animais, um orangotango asiático, um filhote de bisão europeu e mais um dromedário. Os sintomas foram os mesmos dos animais que morreram no final de janeiro, vítimas de envenenamento por veneno de rato - um tipo de veneno de uso proibido no Brasil.Dos animais que morreram neste sábado, o mais valioso e raro é o orangotango, ameaçado de extinção. O dromedário é um animal raro no Brasil, mas abundante no mundo, enquanto o bisão europeu é um mamífero que esteve seriamente ameaçado de extinção e foi salvo nas duas últimas décadas através de um trabalho intenso dereprodução em cativeiro, desenvolvido pelos zoológicos do mundo inteiro, inclusive pelo Zôo de São Paulo.A reprodução em cativeiro foi incentivada, através da entrega dos últimos casais de bisão aos principais zôos do mundo e, como esse trabalho permitiu recuperar a espécie, recentemente os primeiros bisões foram soltos em parques nacionais europeus, onde há mais de 50 anos tinham deixado de existir.AmostrasAmostras das carcaças serão retiradas para exames laboratoriais. Quanto ao veneno de rato que matou os primeiros animais - chimpanzés, antas e dromedários -, ele foi proibido no Brasil justamente porque causava freqüentes acidentes quando cães e mesmo crianças o ingeriam.A opção foi a substituição por um produto que impede a coagulação do sangue e que mata o rato por hemorragia, pois ele sangra até a morte cada vez que luta com outro rato, ou quando tem um parto. A vantagem do novo tipo de veneno é dupla, por perder todo o sangue o rato seca, e quando uma criança ou um animal doméstico ingere o veneno, basta que tome o antídoto, vitamina K.Como não faz muitos anos, porém, que o veneno mais poderoso foi proibido, ele ainda é encontrado em lojas de ração, que o vendem clandestinamente. A Polícia investiga justamente essa linha, na tentativa de identificar de onde veio o veneno usado no Zoológico para matar os animais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.