Zuanazzi e outros diretores se reúnem para traçar estratégia conjunta

Acuados pela renúncia da diretora Denise Abreu, os outros quatro integrantes da diretoria colegiada da Anac começaram ontem mesmo a pensar em quais serão seus próximos passos à frente da agência. No fim da tarde de ontem, Milton Zuanazzi, Leur Lomanto, Jorge Velozo e Josef Barat marcaram uma reunião informal para discutir uma estratégia conjunta de ação para os próximos dias. O encontro deveria ocorrer à noite na residência de Lomanto, em Brasília.Embora tenham se mantido alheios ao bombardeio vivido por Denise nas últimas semanas, os demais dirigentes da agência têm plena consciência de que o ministro da Defesa, Nelson Jobim, continuará tentando tirá-los do cargo. Por isso, querem afinar o discurso daqui para frente. Na avaliação de fontes do setor aéreo, um pedido de renúncia coletiva é improvável. Mas, diante da crise atual, não pode ser descartada.Há um mês, o próprio governo se encarregou de tentar articular uma saída dos diretores da Anac. Na manhã de 24 de julho, Zuanazzi, presidente da agência, chegou a colocar o cargo à disposição de sua madrinha política, a ministra- chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Quatro de seus pares apoiaram a decisão. A única resistência partiu de Denise, que se recusava a deixar o posto e achava que, com a saída de Zuanazzi, ficaria exposta.Para acelerar o desfecho, o governo buscou a todo custo uma "saída honrosa", um meio de recolocar todos os dirigentes no mercado de trabalho. As negociações emperraram em diversos pontos. Além da resistência de Denise, pesou o fato de Lomanto ter respaldo político - foi indicado pelo PMDB, um dos principais aliados do governo no Congresso - e até indefinição sobre o futuro profissional de diretores de menor expressão, como Velozo e Barat."Apesar das divergência com o Milton, a Denise sempre achou que existia uma coesão dentro da agência", avalia um executivo do setor, que conviveu com os cinco diretores desde a criação da Anac. "Agora, após a saída dela, é bem capaz que eles se unam."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.