Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

4 PMs teriam pago por fraude em depoimento sobre Amarildo

Agentes são denunciados por dar dinheiro a duas testemunhas, que acusaram o traficante Catatau pelo assassinato do pedreiro

Roberta Pennafort e Sergio Torres, O Estado de S. Paulo

11 Dezembro 2014 | 10h45

RIO - Quatro policiais militares acusados de participação no desaparecimento e na morte do pedreiro Amarildo de Souza, em 2013, voltaram a ser denunciados pelo Ministério Público do Estado do Rio e pelo Ministério Público Militar. O major Edson Raimundo dos Santos, o tenente Luiz Felipe de Medeiros e os soldados Newland de Oliveira e Silva Júnior e Bruno Medeiros Athanasio são, agora, acusados de pagar a duas testemunhas para que apontassem, em depoimentos formais, traficantes da Favela da Rocinha, na zona sul do Rio, como assassinos de Amarildo.

De acordo com a denúncia dos promotores, os policiais militares deram  R$ 500 e R$ 850 para as testemunhas acusarem o traficante Thiago da Silva Neris, o Catatau, pelo crime.

O diálogo telefônico entre o suposto Catatau e um PM foi combinado, segundo os promotores. Na conversa, Catatau diz que Amarildo foi morto pelo tráfico.

Uma perícia na gravação feita pelos investigadores concluiu que um outro policial militar fingiu ser o traficante na conversa, em uma tentativa de enganar os responsáveis pelo inquérito policial. Os depoimentos falsos das testemunhas viriam confirmar o teor do diálogo montado.

Mais conteúdo sobre:
Amarildo Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.