Márcio Mercante/O Dia
Márcio Mercante/O Dia

Polícia apreende 60 fuzis no Galeão; carga havia sido despachada de Miami

Novas, mas com numeração raspada para dificultar o rastreamento, as armas chegaram em dois voos, escondidas no interior falso de aquecedores para piscinas; quatro homens foram presos preventivamente. Investigação começou há dois anos

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

01 de junho de 2017 | 15h30
Atualizado 02 de junho de 2017 | 10h56

RIO - A Polícia Civil do Rio apreendeu 60 fuzis no terminal de cargas do aeroporto do Galeão, na Ilha do Governador (zona norte do Rio), nesta quinta-feira, 1, à tarde. Cada arma vale R$ 70 mil – a carga total chega a R$ 4,2 milhões e representa a maior apreensão em pelo menos dez anos. Novas, mas com numeração raspada para dificultar o rastreamento, as armas chegaram de Miami, em dois voos. Estavam escondidas no interior falso de aquecedores para piscinas, dentro de um contêiner. 

Quatro homens foram presos preventivamente no Rio, acuados de envolvimento no caso. A polícia não informou se a quadrilha trabalhava para alguma facção criminosa. A apreensão decorreu de uma investigação iniciada há dois anos. Em 2015, um policial militar foi morto durante um assalto em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio, e a pistola usada no crime foi apreendida. A origem foi rastreada e a polícia começou a identificar uma quadrilha especializada no tráfico de armamento. Descobriu que o bando costumava esconder esses itens entre produtos lícitos (aparelhos de TV, segundo se suspeitava inicialmente) transportados para o Brasil por via aérea.

Nos últimos dias, investigadores da Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC) conseguiram rastrear pela primeira vez uma carga de fuzis encaminhada para o Rio. A encomenda foi enviada de Miami para o aeroporto do Galeão. Uma das cargas saiu dos Estados Unidos no dia 23; a outra, no dia 31.

Não foi divulgado o nome da companhia aérea e a polícia do Rio não tem detalhes sobre o procedimento de embarque da carga no aeroporto norte-americano. A carga foi enviada por um brasileiro que mora em Miami e é dono de uma empresa regular de importação e exportação de produtos. Ele ainda não foi preso, mas, segundo investigadores, já está sendo procurado por policiais dos Estados Unidos. Todas as cargas enviadas por sua empresa ao Brasil passarão a ser submetidas a controle especial.

Ao desembarcarem no terminal de cargas do Galeão, as armas não foram submetidas ao aparelho de scanner. Como é muito grande a quantidade de cargas que passa pelo aeroporto, só algumas delas são analisadas, mas não se descarta a participação de algum funcionário no crime. Como a Polícia Civil já rastreava a carga, foi até o terminal, identificou os volumes que procurava e descobriu as armas. Cada aquecedor de piscina com fundo falso continha oito fuzis. Ao todo havia três modelos dessas armas: 45 são AK-47, há 14 AR-10 e um G-3. Segundo a Polícia, o fuzil AK-47 é o preferido pelos criminosos porque não exige manutenção e é mais resistente. O AR-10 é mais moderno e atualmente equipa agentes do Batalhão de Operações Especiais (Bope).

Um dos presos é um despachante aduaneiro responsável por liberar a carga. Segundo a polícia, ele é cadastrado no aeroporto e no porto e morava em Jacarepaguá (zona oeste do Rio). Outro preso, morador da Baixada Fluminense, tinha a função de transportar a carga do aeroporto até um galpão onde elas ficariam guardadas até serem entregues a criminosos. Os outros dois homens presos são de Niterói, na região metropolitana, e eram responsáveis por receber as armas no galpão e distribuí-las. As ordens de prisão preventiva foram emitidas, a pedido da Polícia Civil, por uma Vara Criminal de São Gonçalo. O nome dos presos não havia sido divulgado até 21 horas.

Recorde. Esta foi a maior apreensão de fuzis realizada no Rio pelo menos desde 2007, quando esse tipo de registro começou a ser feito pelo Instituto de Segurança Pública. Neste ano, foram apreendidos 250 fuzis no Estado. Em 2 de maio, por exemplo, foram apreendidos 32 – naquele dia, a Polícia Militar interveio em um confronto entre facções criminosas na Cidade Alta, em Cordovil (zona norte). Criminosos incendiaram nove ônibus e dois caminhões e levaram pânico à zona norte.

O secretário estadual de Segurança, Roberto Sá, fez elogios à Polícia Civil, “que mesmo sem receber o 13.º salário e outros benefícios está na rua defendendo a população”. Também criticou a legislação, que considera insuficiente para a gravidade dos delitos. “Enquanto o tráfico de drogas foi equiparado a crime hediondo, o tráfico de armas continua com uma pena ínfima (de 4 a 8 anos de prisão). Por situações como essa é que, quando me perguntam se eu me sinto enxugando gelo, eu respondo que sim.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.