Polícia Civil/AFP
Polícia Civil/AFP

Acusados pela morte de Marielle não pretendem fazer delação premiada, diz advogado

O PM reformado Ronnie Lessa e o ex-PM Elcio Vieira de Queiroz prestaram depoimento nesta quarta-feira

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2019 | 15h54

RIO - Advogados do policial militar reformado Ronnie Lessa e do ex-policial militar Elcio Vieira de Queiroz, acusados pelo assassinato da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes,  negaram que seus clientes pensem em fazer delação premiada. O advogado Fernando Santana, que atua na defesa de Lessa, afirmou ainda que o seu cliente “sequer havia ouvido falar em Marielle”.

Queiroz, Lessa e Alexandre Mota de Souza, que é amigo de infância de Lessa e guardava fuzis em sua casa no bairro do Meier, prestaram depoimento nesta terça-feira, 13, na Delegacia de Homicídios. Os depoimentos foram sobre porte ilegal de armas e não sobre o caso Marielle.

A polícia afirma que não tem dúvidas de que os fuzis encontrados no Méier eram de Lessa.

A audiência de custódia de Lessa e Queiroz está prevista para esta quinta. De lá, os dois devem voltar para a DH para prestarem depoimento, aí sim, sobre o caso Marielle. Após esse depoimento, a expectativa é que os acusados sejam levados para Bangu.

Outros citados espontaneamente prestaram depoimento do DH na tarde desta quarta. Entre eles, três policiais militares, dois empresários e um bombeiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.