Ricardo Moraes/REUTERS
Ricardo Moraes/REUTERS

Adolescente morre durante operação policial em Manguinhos; moradores protestam

Comerciantes fecharam estabelecimentos e escolas dispensaram os alunos; Ainda não se sabe se tiro partiu de policiais ou de criminosos

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

08 Setembro 2015 | 17h42

RIO - Um adolescente de 13 anos morreu atingido por uma bala perdida durante uma operação policial realizada na favela de Manguinhos, na zona norte do Rio, no fim da manhã desta terça-feira, 8. Após a morte, moradores da comunidade interditaram a Avenida Leopoldo Bulhões, uma das principais vias da região, em protesto. Não se sabe se o tiro que causou a morte partiu de policiais ou criminosos, mas os manifestantes reclamam da ação policial. 

Comerciantes fecharam seus estabelecimentos, escolas dispensaram alunos e a Polícia Militar recorreu a bombas de gás para dispersar os manifestantes e liberar o trânsito na avenida. No fim da tarde, o clima ainda era tenso na região.

O adolescente morto, identificado como Cristian Andrade, jogava futebol com amigos em um campo de terra quando foi baleado. Ele chegou a ser socorrido, mas morreu num hospital da região.

A operação realizada na favela era promovida por policiais civis da Divisão de Homicídios do Rio e da Coordenadora de Recursos Especiais (Core), na tentativa de prender um acusado de participar da morte do soldado Clayton Fagner Alves Dias, que trabalhava na Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) de Manguinhos. Ele foi morto a tiros na Ilha do Governador, onde morava com a família, em 28 de abril passado, durante um dia de folga. Quando chegaram em Manguinhos, na manhã desta terça-feira, os policiais civis foram recebidos a tiros.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Manguinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.