Wilton Júnior / Estadão
Wilton Júnior / Estadão

Advogada de jogador acusado de estupro coletivo sofre ameaças

Renata Barcellos relatou texto em que internauta deseja que aconteça com ela o que o cliente 'cometeu com outras vítimas'

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2016 | 14h05

RIO - A advogada Renata Barcellos, que defende o jogador do Boavista Lucas Perdomo Duarte dos Santos, preso acusado de participar do estupro da jovem de 16 anos no Rio de Janeiro, disse nesta quinta-feira, 2, que sofreu ameaças nas redes sociais. Segundo ela, uma mulher postou no Facebook texto em que afirma desejar "para os advogados 'chave de cadeia' que aconteça consigo o mesmo que seu 'cliente inocente' cometeu com outra vítimas". 

A mensagem foi copiada e enviada para a advogada por amigos. Renata afirmou ainda que recebeu mensagens ofensivas no celular. "Essas pessoas estão incitando a violência. Isso não constrói nada, pelo contrário, incita que a violência que foi feita seja feita comigo", declarou. "Não estou com medo porque atuo na área criminal. Mas fico surpresa com esse tipo de atitude vindo inclusive de mulheres. Vi críticas até de advogados, acho que a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) pode até representar." 

Renata anunciou que pedirá ainda nesta tarde a revogação de prisão temporária do cliente.

Transferência. O diretor do Departamento de Delegacias Especializadas,  Ronaldo Oliveira, autorizou a transferência de Lucas e Raí de Souza para o Complexo Presidiário de Gericinó, em Bangu, na zona oeste do Rio de Janeiro, na tarde desta quinta feira. Eles são acusados de participar do estupro coletivo de jovem de 16 anos no último dia 21, em favela na zona oeste do Rio.

Ambos foram presos na última segunda feira, 30, e estão encarcerados na Cidade da Polícia, no Jacaré, na zona norte. Também está preso no local um terceiro acusado, Raphael Duarte Bello, que se entregou na manhã desta quarta feira, 1º. Ele ainda continuará na unidade para prestar mais esclarecimentos.

A transferência foi autorizada pela Delegacia da Criança e Adolescente Vítima (DCAV), responsável pela investigação. Na manhã desta quinta feira, a presidente do inquérito, delegada Cristiana Oronato Bento, está na rua em diligências sobre o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.