Fabio Motta / Estadão
Fabio Motta / Estadão

Advogado de suspeito diz que vítima estava 'superconsciente'

Defesa voltou a afirmar que Raí de Souza teve relação consensual; vídeo foi filmado pelo seu celular, mas teria sido feito por 7º suspeito

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

31 Maio 2016 | 13h35

RIO - O advogado Alexandre Santana disse que o cliente Raí de Souza, preso sob a acusação de envolvimento no estupro da adolescente de 16 anos na zona oeste do Rio de Janeiro, contou que a menina estava "superconsciente" no momento da ação. O advogado reafirmou que Raí teve relações sexuais com a jovem de maneira "consensual", horas antes da gravação da filmagem divulgada nas redes sociais. 

O vídeo mostra um homem manipulando por alguns momentos as partes íntimas da jovem nua. Também é possível ouvir risadas e uma música em ritmo de rap, cantada por um dos homens presentes. Questionado por jornalistas nesta terça-feira, 31, como a menina não teria acordado nesse cenário, Santana disse que o cliente atribuiu ao "cansaço". "Passou o tempo todo no baile funk, né?", afirmou Santana.

O advogado disse que Raí teria chegado a casa, chamada nos depoimentos de "abatedouro", com a jovem, o outro acusado do crime, também preso, Lucas Perdomo Duarte dos Santos, o Luquinhas, e a amiga Joyce, de 18 anos, por volta das 7 horas de domingo, 22.

Segundo a versão, o vídeo foi gravado em torno das 10 horas, pelo celular de Raí. Santana disse que a gravação não foi feita pelo suspeito, mas pelo traficante identificado apenas por Jeferson, o Jefinho.

"Raí tinha saído do quarto para pedir um mototáxi, quando Jefinho pegou o celular dele no quarto e fez a gravação. Raí chegou no final da filmagem, quando estavam cantando um rap. A risada que se houve neste momento é do Raí, mas ele estava rindo de outra coisa", disse o advogado.

Lucas e Raí, presos na Cidade da Polícia (sede das delegacias especializadas da Polícia Civil), deverão prestar novos depoimentos nesta terça-feira. A delegada Cristiana Bento, presidente do inquérito que tramita na Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV), disse que vai no início desta tarde à Cidade da Polícia.

Quatro suspeitos de participar do estupro ainda estão foragidos. A delegada quer ouvir um sétimo suspeito. Segundo o advogado Santana, seria Jefinho. Santana esteve na Cidade da Polícia a pedido da família de Raí, que teme agressões contra ele.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.