Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Advogado se apresenta como testemunha do 1º adolescente apreendido

Rodrigo Mondego participou da defesa do segundo menor suspeito de esfaquear o médico Jaime Gold na Lagoa Rodrigo de Freitas

Carina Bacelar , O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2015 | 11h02

RIO - O advogado e membro da comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio de Janeiro (OAB-RJ) Rodrigo Mondego, que participou por um dia da defesa do segundo adolescente, de 15 anos, apreendido no caso do médico Jaime Gold, de 56, disse que vai se apresentar como testemunha de defesa do primeiro jovem apreendido, de 16.

Inocentado pelos outros dois meninos suspeitos do caso, esse adolescente não confessou participação no crime à Delegacia de Homicídios, que investiga o caso, e nem à Justiça. 

"Vou me colocar como testemunha da defesa do primeiro menor detido. Como acompanhei o depoimento e os abusos que ocorreram no depoimento, eu me coloquei para ajudar a elucidar o caso", disse Mondego, referindo-se ao depoimento do seu então cliente. 

De acordo com o advogado, no dia da apreensão, não foi garantido ao jovem o direito à ampla defesa. Mesmo tendo se entregado, ele foi levado sozinho em carro da Polícia civil até a delegacia. Segundo Mondego, lá chegando, ele também não pode ser orientado pela defesa antes de prestar depoimento.

"Na delegacia, eu pedi o direito à orientação prévia do depoimento, orientar o que ele deveria falar. Isso é um direito do menor. Ao questionar isso, a delegada (Patrícia Aguiar) ameaçou me expulsar."

O advogado contou que foi um depoimento "corrido", mas até onde ele sabe, sem violência. À Justiça, por sua vez, o adolescente teria dito que incriminou o primeiro apreendido após ser ameaçado por policiais. Questionado por Mondego se havia falado a verdade sobre a participação do primeiro jovem, seu então cliente disse "é verdade, é verdade", de maneira "tímida". 

Os três meninos participaram de audiência na Vara da Infância e da Juventude nesta segunda-feira, 8. Na ocasião, o adolescente de 15 anos inocentou o primeiro adolescente apreendido dois dias após o caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.