Aeroportos do Rio e SP operam apenas por instrumentos

Neblina no Rio e chuva em SP atingem pousos e decolagens de Tom Jobim, Galeão, Congonhas e Cumbica

25 Outubro 2007 | 08h50

roporto Santos Dumont, no centro do Rio, funcionava com o auxílio de instrumentos na manhã desta quinta-feira, 25, após passar a quarta-feira fechado por conta da chuva que atingiu o Rio de Janeiro. Nesta quinta, também operam por instrumentos os aeroportos de São Paulo.   Veja também: Com túnel bloqueado, Rio tem trânsito ruim nesta manhã   Por volta das 7 horas desta quinta-feira, 25, os terminais de vôo das duas capitais estavam operando para pousos e decolagens com instrumentos devido à forte neblina que cobria a cidade no Rio e à chuva em São Paulo. Segundo informações da Empresa Brasileira de Infra-Estrutura Aeroportuária (Infraero), no aeroporto Santos Dumont, no centro do Rio, três vôos foram cancelados e não havia registro de atrasos, do total de oito vôos programados.   O Santos Dumont ficou fechado durante toda a quarta-feira para pousos e decolagens e os vôos foram transferidos para o Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador. Na quarta, o Rio viveu um dia de caos, com trânsito parado e apagão de energia. Onze bairros ficaram sem luz e a Defesa Civil do Estado registrou 205 atendimentos. Na Baixada Fluminense, onde a chuva também foi intensa, uma criança morreu ao ser arrastada pelas águas.   Nesta quinta, no Tom Jobim, a situação também estava tranqüila, com apenas um vôo cancelado e quatro com atrasos de mais de uma hora, de um total de 21 previstos.   Na capital paulista, o aeroporto de Congonhas, na zona sul, registrava apenas um cancelamento e três vôos atrasados, dos 24 programados até as 7 horas. Em Guarulhos, o aeroporto de Cumbica, que opera por instrumentos desde a última quarta, dos 34 vôos previstos, nenhum foi cancelado e três estavam com horários alterados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.