Aeroviários fazem manifestação no Aeroporto do Galeão

Profissionais iniciaram à 0h desta quinta-feira, 12, paralisação de 24 horas e chegaram a fechar avenida de acesso ao terminal

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2014 | 08h42

Atualizado às 09h35

RIO - Um grupo de cerca de 30 aeroviários do Rio de Janeiro, em paralisação de 24 horas, faz ato na manhã desta quinta-feira, 12, na Avenida 20 de Janeiro, que dá acesso ao Aeroporto Internacional Tom Jobim, o Galeão, na Ilha do Governador, zona norte. Os manifestantes chegaram a fechar a via em direção ao terminal. 

Apesar do trânsito tumultuado no entorno do Galeão, o aeroporto funciona normalmente nesta manhã, segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Na noite desta quarta-feira, 11, o Sindicato Municipal dos Aeroviários do Rio (Simarj) anunciou a paralisação de 24 horas. Eles pedem 12% de aumento no salário e também no efetivo.

Os aeroviários - profissionais que trabalham nos aeroportos, não embarcados, como mecânicos, engenheiros, serviços gerais e em balcões de check-in - começaram a paralisação à 0h desta quinta-feira nos terminais Galeão, Santos Dumont e de Jacarepaguá.

A Polícia Militar informou, em nota, que o patrulhamento está reforçado na região dos aeroportos, inclusive com uma viatura do Batalhão de Choque. "Nesta manhã, os aeroviários iniciaram uma manifestação e tentaram fechar a via. O Batalhão de choque impediu a interdição. A Polícia Militar continua acompanhando a movimentação."

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou que está acompanhando a situação e que as empresas aéreas possuem planos de contingência.

São Paulo. De acordo com a Infraero e a concessionária GRU Airport, até as 8h40, não houve reflexo da greve dos aeroviários do Rio de Janeiro na operação de voos dos Aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e de Congonhas, na zona sul da capital paulista./COLABOROU LAURA MAIA DE CASTRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.