MARTHA SANTHUZA/MEIONORTE.COM
MARTHA SANTHUZA/MEIONORTE.COM

Aliados de Pezão defendem Beltrame

Mensagem que governador quer transmitir é de que a ocupação de 38 favelas e complexos tem mais resultados positivos que negativos

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

07 de abril de 2015 | 03h00

RIO - Apesar de episódios como a morte de Eduardo de Jesus Ferreira, baleado na cabeça na porta de casa, no Complexo do Alemão, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) fala em ajustes e não em mudança de rumo na política de pacificação e fez questão, nesta segunda-feira, 6, de prestigiar o secretário de Segurança, José Mariano Beltrame, há oito anos no cargo.

Aliados do governador sustentam que a saída de Beltrame provocaria instabilidade e mais dúvidas sobre o futuro das Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). A mensagem que o governador quer transmitir é de que a ocupação de 38 favelas e complexos tem mais resultados positivos do que negativos. 

Na visão de Pezão, Beltrame tem experiência e autoridade e deu um sinal de lealdade ao decidir continuar no cargo, depois de dois mandatos de Sérgio Cabral (PMDB), padrinho político do atual governador. 


Políticos do entorno do governador se incomodam com o estilo distante e reservado de Beltrame. O secretário insiste na tese de que só ocupação policial não resolverá os problemas de comunidades carentes. Ele prega que haja oportunidades para crianças e jovens, o que incomoda integrantes do governo do Estado e da prefeitura que trabalham na área social.

Colegas secretários dizem que Beltrame poderia deixar o governo por iniciativa própria, não por decisão de Pezão. Dois auxiliares do secretário têm sido elogiados no governo: o comandante da Polícia Militar, Alberto Pinheiro Neto, e o subsecretário de Planejamento e Integração Operacional, Antônio Roberto Cesário de Sá. 

No início do ano, o Beltrame resistiu à determinação do governador de que todas as secretarias, sem exceção, cortassem custos e se enquadrassem no ajuste fiscal do Estado. 

Nesta segunda, Pezão atendeu a duas reivindicações do secretário. Disse que liberará recursos para melhorar as condições de trabalho dos policiais e anunciou que fará obras emergenciais para a construção de sedes permanentes de UPPs, que, em muitos casos, funcionam em contêineres que aos poucos ficam degradados. Alguns já foram atingidos por tiros. 

Em entrevistas, nesta segunda, Pezão disse que a política de segurança de Beltrame “está no caminho certo” e elogiou o secretário. “É uma pessoa dedicada 24 horas por dia em segurança pública”, afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.