Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
EFE
EFE

Anac vai apurar drones e salto de paraquedas em desfile da Portela

Agência informou que veículos aéreos não tripulados são proibidos em áreas densamente povoadas; escola usou 450 drones

Clarissa Thomé, O Estado de S. Paulo

19 de fevereiro de 2015 | 18h13

RIO - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) instaurou dois processos administrativos para apurar o uso de drones e o salto de quatro paraquedistas durante o desfile da Portela, na noite de segunda-feira, 16.  

Em nota, a agência informou que a operação dos veículos aéreos não tripulados (VANTs) é proibida em áreas densamente povoadas e sem o Certificado de Autorização de Voo Experimental. Só nas arquibancadas, frisas e camarotes do sambódromo havia 72 mil pessoas. De acordo com o texto divulgado pela agência, na última quinta-feira, 12, os operadores dos drones solicitaram à Anac informações sobre a operação dos equipamentos e foram avisados sobre os procedimentos que deveriam ser adotados. Mas não formalizaram a intenção de utilizá-los.


"Diante das operações com os drones sem a devida autorização e fora das regras da Agência, foi aberto um processo administrativo para notificar a escola e o operador responsável pelos equipamentos com o objetivo de obter mais informações, que serão analisadas para eventuais autuações. O infrator estará ainda sujeito a ações de responsabilidade civil e penal", informa a nota.

No enredo sobre o aniversário do Rio de Janeiro, a Portela usou 450 drones, informou o carnavalesco Alexandre Louzada, que representavam mini águias, uma para cada ano da cidade. O desfile teve ainda uma águia-robô, que sobrevoou a Sapucaí, e três drones-bola no carro que reproduzia o estádio do Maracanã. 


Antes do desfile, quatro paraquedistas com efeitos especiais na roupa saltaram de um helicóptero a uma altura de 850 metros. Eles eram liderados pelo campeão mundial de skysurf Gui Pádua. Os paraquedas tinham inscrição com o nome da escola.  

De acordo com a Força Aérea Brasileira, foi expedido um Notam, documento com informações sobre o local e horário do pouso dos paraquedistas, que serve de alerta para outros aviadores que estejam na região. Mas a Anac também instaurou processo administrativo para apurar em que condições foi realizado o lançamento dos paraquedistas. "Para o lançamento de paraquedistas, o piloto deve possuir licença LPDQ e obedecer diversos requisitos de segurança expedidos pelos regulamentos da Agência, tais como o número de ocupantes da aeronave, a procedência da mesma aeronave, entre outros fatores", explicou a agência, na nota. 

A Portela nas havia se pronunciado até as 18h10 desta quinta-feira. 

Tudo o que sabemos sobre:
CarnavalPortelaRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.