Renan Olaz/CMRJ
Renan Olaz/CMRJ

Anistia Internacional questiona imparcialidade da Polícia Civil na investigação sobre Marielle

Para o órgão, a informação de desvio de armas pode comprometer a competência e independência da Polícia Civil para apurar o caso

Roberta Jansen, O Estado de S. Paulo

18 Maio 2018 | 16h46

A Anistia Internacional questiona a imparcialidade da Polícia Civil na investigação do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. Em nota oficial divulgada nesta sexta-feira, 18, a Anistia cita uma reportagem da TV Globo segundo a qual as polícias do Rio teriam 71 submetralhadoras HK MP-S, modelo que teria sido usado no crime. Das 60 armas pertencentes à Polícia Civil, cinco delas teriam sido extraviadas em 2011. Outras 11 submetralhadoras pertenceriam ao Batalhão de Operações Especiais (Bope).

++ Ex-PM ligado a morte de Marielle presta depoimento e nega envolvimento com o crime

“Estamos há quase 65 dias da morte da defensora de direitos humanos e vereadora Marielle Franco. Durante esse período, diversas informações sobre o caso foram veiculadas pela mídia, inclusive de que a munição utilizada pertencia a lote vendido à Polícia Federal em Brasília e havia sido roubada na sede dos Correios, sem que houvesse nenhuma explicação ou pronunciamento oficial pelas autoridades", disse a Anistia Internacional, em nota. 

Segundo o órgão, "a informação de que armas do mesmo modelo da que teria sido usada na execução de Marielle Franco teriam sido desviadas do arsenal da Polícia Civil pode comprometer a competência e independência da Polícia Civil de investigar o caso”. “A Anistia Internacional urge que a Polícia Civil e a Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro se pronunciem sobre a imparcialidade das investigações.”

Em nota, a Secretaria de Estado de Segurança (Seseg) disse que "reitera sua confiança na Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro (PCERJ) e no trabalho de excelência da Divisão de Homicídios". A Seseg diz estar "alinhada ao clamor da sociedade por Justiça e respeita o trabalho técnico de investigação cuja produção de provas qualificadas levará os culpados à condenação".

 

Mais conteúdo sobre:
Marielle Francohomicídio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.