Após o Pan, polícia do Rio faz operações em favelas

Um caminhão de carga auxilia a polícia na retirada de material em Vigário Geral; dois morrem na Tijuca

Pedro Dantas, do Estadão,

30 Julho 2007 | 12h31

O dia seguinte ao encerramento dos Jogos Pan-Americanos foi marcado por operações policiais em quatro favelas do Rio, que deixaram dois supostos criminosos mortos em confronto com a polícia.   "O objetivo é dar um choque de ordem e manter o poder público nas comunidades. Com o Pan a polícia deu um `refresco' para impedir que inocentes fossem feridos por balas perdidas, mas agora onde houver interesse de investigação ou necessidade repressiva vamos atuar", disse o delegado-titular da Delegacia de Roubos e Furtos de Automóveis, Ronaldo Oliveira.     Ele coordenou a operação com mais de 100 policiais civis no morro da Mangueira, onde quatro pessoas foram presas, outras duas detidas e 20 quilos de maconha apreendidos. Um depósito de peças de carro roubadas foi estourado e recolhidos 30 balões com fogos e bombas.   A operação na Mangueira contou com agentes de cinco delegacias especializadas e da 20ª Delegacia de Polícia de Vila Isabel. Muitos deles usavam as viaturas cedidas pelo Governo Federal para a segurança do Pan.   Na localidade conhecida como Telégrafo, Wagner José Ferreira da Silva, 27, um dos chefes do tráfico no local, foi preso com uma pistola, uma granada, trouxinhas de maconha e crack. Ele estava sendo protegido por cinco homens que trocaram tiros com policiais e escaparam pela rede de esgoto, segundo os agentes.   Apontado como o segundo homem na distribuição de drogas para a Baixada Fluminense, o paraplégico Silvano de Souza Brito, de 30 anos, foi preso em uma casa da favela desarmado. Na área da favela conhecida como Buraco Quente, o suposto traficante Anael Francisco Pinheiro, o Pará, 27, foi preso por agentes da Delegacia de Repressão ao Uso de Armas e Explosivos.   Na região da favela conhecida como Candelária, Adriana Gaudino Gomes, de 30 anos, foi presa em casa. Ela estava com a prisão preventiva decretada pela participação em vários crimes, entre eles tráfico de drogas e roubos. Dois homens que estavam com a chave de um carro que não pertencia a nenhum deles foram detidos.   Morte   As operações da Polícia Militar em favelas da zona norte deixaram dois mortos. No Morro do Borel, na Tijuca, Marcelo dos Santos Pereira, foi baleado e morreu após trocar tiros com PMs do 6º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que realizaram uma operação para coibir a venda de drogas.   Na Favela do Jacarezinho, um homem ainda não identificado morreu à tarde em um tiroteio com policiais do 3º BPM do Méier, que entraram na favela com apoio de carros blindados para cumprir mandados de prisão.   A primeira operação do dia aconteceu em Vigário Geral, na zona norte, onde agentes da Polinter (Divisão de Capturas da polícia fluminense) descobriram duas casamatas construídas por traficantes para vigiar o acesso às favelas e uma outra em construção. A polícia prendeu um homem armado e outras nove pessoas foram detidas para averiguação. Eletrodomésticos, móveis e outras cargas roubadas foram apreendidas. Ninguém ficou ferido.   Matéria ampliada às 20h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.