Após polêmica com sucessor, prefeito Eduardo Paes desiste de aumentar tarifas de ônibus no Rio

Marcelo Crivella, que assume o município neste domingo, pode fazer reajuste; passagem custa R$ 3,80

Daniela Amorim, O Estado de S. Paulo

30 Dezembro 2016 | 16h45

RIO - O prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), desistiu de publicar o aumento nas passagens de ônibus municipais na cidade. A tarifa permanecerá em R$ 3,80 até que o prefeito eleito Marcelo Crivella (PRB), decida sobre o reajuste.

Paes recuou da decisão ante a possibilidade de o novo prefeito, assim que assumisse o cargo revogasse o aumento. Isso deixaria para o peemedebista o desgaste da medida impopular.

 

A Secretaria Municipal de Transportes divulgou nota nesta sexta-feira, 30, explicando que a decisão foi tomada após declarações do vice-prefeito eleito e futuro secretário de Transportes, Fernando Mac Dowell, que é engenheiro e especialista em transportes, manifestando-se contra o reajuste anual da tarifa das passagens de ônibus na cidade.

“Tendo em vista as manifestações do vice-prefeito eleito e futuro secretário de Transportes, Fernando Mac Dowell, contra o reajuste anual da tarifa das passagens de ônibus da cidade do Rio de Janeiro, uma obrigação estabelecida no contrato de concessão, a Secretaria Municipal de Transportes decidiu não publicar a resolução de mudança do valor”, diz a nota da Secretaria.

De acordo com a fórmula usada para o cálculo do reajuste, a tarifa do Bilhete Único Carioca aumentaria para R$ 3,95 a partir do primeiro dia útil de 2017, em 2 de janeiro. A elevação seria de 3,9%, “valor bem abaixo da inflação de 6,58% acumulada nos últimos 12 meses”, segundo a secretaria. O cálculo leva em consideração o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – Especial (IPCA-E), divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“Apesar de defender o cumprimento do contrato, o prefeito Eduardo Paes entende que no momento é necessário respeitar a decisão do prefeito eleito Marcelo Crivella e sua equipe”, concluiu a nota.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.