Após polêmica, Prefeitura do Rio diz estar reavaliando ideia de cercadinhos na praia

Após polêmica, Prefeitura do Rio diz estar reavaliando ideia de cercadinhos na praia

De acordo com o órgão, ideia teria gerado 'confusões e controvérsias'

Márcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2020 | 12h25

A Prefeitura do Rio decidiu "reavaliar" a ideia apresentada na semana passada pelo prefeito Marcelo Crivella (Republicanos) de fazer "cercadinhos" na praia para evitar a aglomeração de banhistas. Segundo a prefeitura, a reavaliação ocorre devido "a confusões e controvérsias geradas pela ideia".

"O prefeito tem ouvido observações e críticas também da própria imprensa, e estuda internamente o melhor encaminhamento, podendo realizar uma consulta popular – ainda a decidir", informou a Prefeitura, em nota. "A preocupação do prefeito é buscar a melhor forma de evitar aglomerações e, por mais que a fiscalização entre em campo, a Prefeitura não tem condições de fiscalizar todas as praias."

A ideia de fazer cercadinhos na praia foi anunciada por Crivella na segunda-feira. “As pessoas vão poder ocupar essas demarcações pelo horário que chegarem e também reservando no aplicativo”, afirmou Crivella, durante entrevista coletiva. Segundo ele, o projeto ainda estava passando por estudos, mas a intenção era permitir parte da ocupação por ordem de chegada, e parte por reserva mediante o uso de um aplicativo de celular.

Ao longo da semana, chegou-se a anunciar que um período de testes seria realizado na praia de Copacabana, mas agora a informação oficial é de que o polêmico cercadinho está à espera de definição.

"A Prefeitura do Rio aproveita para deixar claro que não se responsabiliza nem autoriza informações até então usadas em veículos de imprensa e passadas por porta-vozes de empresas, e ou informações sem identificação de fonte para tratar do assunto", complementa a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.