Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Após queda de helicóptero da PM do Rio, operação em favela prende uma pessoa

A aeronave caiu por volta das 19h30 deste sábado, 19. Os quatro policiais que estavam no helicóptero morreram na hora

Fabio Grellet, O Estado de S. Paulo

20 Novembro 2016 | 08h03

Rio - Um homem foi preso durante operação realizada pela Polícia Militar do Rio de Janeiro na Cidade de Deus, favela da zona oeste da cidade, durante a madrugada deste domingo (20). Com ele foram apreendidos três fuzis e duas pistolas, segundo a PM. O caso foi encaminhado à 32ª DP (Taquara).

A ação foi determinada pela cúpula da Segurança Pública do Rio após a queda de um helicóptero da PM, ocorrida por volta das 19h30 deste sábado (19). Os quatro policiais que estavam na aeronave morreram na hora. A aeronave era usada no apoio a uma operação policial que ocorria na Cidade de Deus ao longo do sábado. Durante todo o dia houve confrontos entre policiais, traficantes e milicianos. A Linha Amarela, via expressa que liga as zonas norte e oeste do Rio, chegou a ser fechada duas vezes devido aos tiroteios.

Os policiais mortos são o major Rogério Melo Costa, de 36 anos, o capitão William de Freitas Schorcht, de 37, o subtenente Camilo Barbosa Carvalho, de 39, e o sargento Rogério Felix Rainha, de 39 anos. Os corpos chegaram à 0h30 deste domingo ao Instituto Médico-Legal, onde permanecem.

Na noite de sábado, após a queda, chefes das polícias Civil e Militar se reuniram com autoridades da Secretaria Estadual de Segurança no Centro Integrado de Comando e Controle, no centro do Rio, para uma reunião emergencial. Dali surgiu a ordem para que durante a madrugada fosse feita uma operação policial na Cidade de Deus, realizada por policiais militares de diversos batalhões.

Tensão. A Secretaria de Segurança do Estado do Rio de Janeiro informou que a Polícia Militar vai permanecer por tempo indeterminado na favela Cidade de Deus, na zona oeste do Rio. A decisão de ocupar a favela por tempo indeterminado foi tomada durante uma reunião dos chefes das polícias Civil e Militar com o secretário estadual de Segurança, Roberto Sá, ocorrida durante a madrugada no Centro Integrado de Comando e Controle, no centro do Rio.

Ainda não se sabe se a aeronave sofreu uma pane ou foi atingida por criminosos. Embora a queda tenha ocorrido em meio a confrontos entre policiais, traficantes e milicianos, a principal hipótese é que o helicóptero tenha sofrido uma pane - segundo o Instituto Médico-Legal, os quatro policiais morreram devido à queda e não haviam sido atingidos por nenhum disparo.

O clima na favela está tenso. Enquanto policiais militares circulam com apoio de blindados, pessoas fazem barricadas incendiando lixo. Várias ruas da região estão interditadas. Moradores alegam que pessoas foram mortas durante a noite dentro da comunidade, mas até as 9h45 deste domingo não havia confirmação disso.

Mais conteúdo sobre:
Militar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.