JORGE HELY/BRAZIL PHOTO PRESS
JORGE HELY/BRAZIL PHOTO PRESS

Após réveillon no Rio, mais de 3,3 mil garis trabalham na limpeza da cidade

Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu 694,2 toneladas de lixo em todos os pontos de festa após o réveillon no Rio de Janeiro

Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

01 Janeiro 2016 | 12h53

Após as comemorações de milhões durante o réveillon 2016 no Rio de Janeiro, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) começou a limpeza dos locais que sediaram eventos públicos às 6h de hoje. Na orla de Copacabana, na zona sul, palco da principal festa da cidade, os garis dividiram espaço com diversas pessoas que ainda habitavam as areias da praia à espera do nascer do sol. 

Após uma manhã inteira de trabalhos, a Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu 694,2 toneladas de lixo em todos os pontos de festa após o réveillon no Rio de Janeiro. Apenas na orla de Copacabana, na zona sul, onde cerca de dois milhões de pessoas celebraram a principal festa da cidade, foram removidas 363,5 toneladas.

Em Copacabana, dos resíduos recolhidos, 315,2 toneladas eram de lixo e outras 48,3 toneladas eram de itens potencialmente recicláveis. Nas praias da Barra da Tijuca e do Recreio dos Bandeirantes, na zona oeste, foram removidas 115,8 toneladas ao todo.Já no Parque Madureira, na zona norte, onde cerca de 60 mil pessoas comemoraram o novo ano, foram removidas 7,8 toneladas. A operação ainda percorreu o Piscinão de Ramos (15,9 toneladas), a Penha (três toneladas), a Praia do Flamengo (25 toneladas) e a Ilha do Governador (20,4 toneladas).

O número geral de lixo recolhido este ano foi um pouco maior do que no réveillon 2015, quando a Comlurb recolheu 680 toneladas de lixo em todos os eventos, sendo 370 toneladas só na praia de Copacabana.

Segundo a Comlurb, foram mobilizados 3.358 garis (1.165 deles só em Copacabana) e 344 profissionais de limpeza para a operação. Apesar dos 1.455 contêineres instalados na cidade, houve muito trabalho para o recolhimento de garrafas, embalagens e outros itens. Para o apoio, foram disponibilizados ainda 247 veículos e equipamentos como caminhões, pás mecânicas, caminhões-pipa, varredeiras, sopradores, entre outros.

Em Copacabana, 120 garis que, pela primeira vez, fizeram a limpeza durante a festa colaboraram para agilizar o serviço da equipe da manhã. O resultado foram pistas e calçadas mais limpas logo ao amanhecer. Às 10h15, uma das pistas já havia sido liberada ao tráfego de veículos, enquanto a outra fica dedicada ao público (como ocorre aos domingos e feriados).

Porém, como muitas pessoas permaneceram na areia na área dos palcos, a limpeza por lá está sendo mais lenta. Garis estão tendo de trabalhar intensamente para compensar o serviço das pás mecânicas, que não estão operando para não oferecer risco à multidão.

No réveillon 2015, a Comlurb recolheu 680 toneladas de lixo em todos os eventos, sendo 370 toneladas só em Copacabana.

A Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop), que atuou com apoio de guardas municipais, também apertou a fiscalização a partir da madrugada de quinta-feira, 31. Apenas na orla de Copacabana, foram apreendidos com ambulantes não autorizados 5.970 bebidas diversas, 686 produtos de bazar, 477 peças de vestuário, 88 quilos de alimentos perecíveis, 64 botijões de gás, 134 cangas, 106 produtos eletrônicos, nove produtos de informática, 12 carroças, 12 acessórios de carroça, 66 cadeiras, dez carrinhos de transporte de mercadorias, três barris de chope, três mesas, uma estufa para salgados, uma caixa de isopor e uma churrasqueira. 

A fiscalização também desmontou 57 barracas de camping armadas irregularmente nas areias. O estacionamento em local proibido também foi alvo da operação, que rebocou 390 veículos na orla do Leme ao Leblon.

Atendimentos. A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) realizou 740 atendimentos nos cinco postos médicos montados na orla de Copacabana desde as 17h30 de ontem. A maioria foi motivado por excesso de bebidas alcoólicas, cortes, dor de cabeça e mal estar. Ao todo, 46 pessoas precisaram ser removidas para hospitais da rede de urgência e emergência municipal. Os números foram menores do que no ano passado, quando foram realizados 909 atendimentos e 64 remoções, de acordo com a SMS.

A rede estadual de saúde, que vem operando com dificuldades devido à crise financeira do Estado, informou que não possui um balanço dos atendimentos realizados em suas unidades na noite do réveillon. Desde o dia 18 de dezembro, a rede estadual opera com um Plano de Contingência, com auxílio do Corpo de Bombeiros e da Polícia Militar. A operação vigora até o dia 7 de janeiro.

“A medida já foi usada de maneira informal, pontualmente, em outras situações e faz parte do plano de contingência, traçado de forma preventiva, considerando que o período de festas de fim de ano é crítico no que se refere a escalas de plantão médico de urgência e emergência, historicamente com muitos registros de falta de funcionários. O objetivo é garantir o atendimento e a prestação de serviços de saúde à população”, informou a Secretaria Estadual de Saúde, em nota. 

 

Mais conteúdo sobre:
Rio de JaneiroComlurbCopacabana

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.