Acervo pessoal
Acervo pessoal

Artista liberado de Bangu pede justiça para amigos presos em suposta festa de milicianos

Ele estava entre as 159 pessoas presas em um show de pagode no bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, há duas semanas

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

22 Abril 2018 | 11h32

RIO - O artista circense Pablo Dias Bessa Martins divulgou vídeo no qual agradece pela liberdade, após passar duas semanas no presídio de Bangu, no Rio. Ele também pede que amigos presos com ele em suposta festa de milicianos sejam liberados. Na madrugada do dia 7 de abril, 159 pessoas foram presas em um show de pagode no bairro de Santa Cruz, na zona oeste do Rio, sob a acusação de que são milicianos. Confira aqui o vídeo.

O ministro extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, em entrevista, afirmou que o grupo deveria explicar o que fazia em "festa de bandido". 

+++Prisão de 159 pessoas em show no Rio foi politizada, diz defensor público

Entre os presos, 139 não têm antecedentes criminal. "Há balconistas, palhaços e motoristas de ônibus", segundo a Defensoria Pública, que divulgou o vídeo do artista. A Justiça determinou que Pablo fosse liberado na última quinta-feira,19,  mas ele só deixou o presídio na tarde de sábado, 21. "Além do caso de Pablo, também atuamos em 40 casos, com o objetivo de conseguirmos na Justiça a revogação das prisões", informou a Defensoria. 

+++ 139 dos 159 presos acusados de integrar milícia não eram investigados

+++ Justiça rejeita primeiros habeas corpus de suspeitos de integrar milícia no Rio

"Quero agradecer a Deus por ter o meu direito de ser humano de estar livre. Como disse um rapaz com quem trabalhei, o Marcos Frota, lugar de artista é no palco, no picadeiro. Estou livre para isso: para voar, para saltar, para arrancar sorriso das pessoas", disse o artista circense. Ele agradeceu a Defensoria, amigos e familiares por não terem desistido da sua causa. "Não desejo isso pra ninguém, nem para um inimigo, nem para os meus amigos, que a justiça seja feita o mais rapidamente possível", complementou. No fim do vídeo, ainda gritou: "I´m free!" (Estou livre!). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.