Constança Rezende/Estadão
Constança Rezende/Estadão

Assessora que acompanhava Marielle e Anderson em carro deixou País

Ela tomou a decisão de sair do Brasil por medo de sofrer retaliações de criminosos por ter presenciado os assassinatos

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

13 Abril 2018 | 23h05

RIO - A assessora que acompanhava a vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) quando a parlamentar foi morta, em 14 de março, no centro do Rio, está fora do Brasil. Segundo integrantes do PSOL, que preferem não divulgar o nome da assessora, ela tomou a decisão com receio de sofrer retaliações de criminosos por ter presenciado a morte da vereadora.

+++ Anistia Internacional cobra agilidade nas investigações da morte de Marielle Franco

Logo após o crime, a assessora prestou depoimento à Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro e em seguida deixou o Rio de Janeiro. Foi primeiro para outro Estado do Brasil, onde permaneceu alguns dias e tomou a decisão de sair do País acompanhada pelo marido. A viagem para o exterior ocorreu dias depois.

+++ Polícia identifica fragmentos de digitais de possível assassino de Marielle, diz jornal

O PSOL não divulga o destino da assessora na tentativa de garantir sua segurança.

+++ Investigação do caso Marielle caminha de 'forma positiva', diz procurador

Depoimento

Quando depôs à Polícia Civil, ainda na madrugada de 15 de março, a única sobrevivente da ação criminosa que matou Marielle e o motorista Anderson Gomes contou não ter percebido que o veículo em que estavam era seguido nem ter visto nenhum carro ou moto próximos. 

Assim que o veículo em que estavam entrou na Rua João Paulo I, no Estácio, na região central da capital, onde aconteceu o crime, a assessora, que estava distraída falando ao telefone celular, ouviu o barulho dos tiros, que pareciam vir de trás, na diagonal. 

Segundos antes, Marielle havia dito "Ué?", em tom de dúvida, contou a assessora à polícia. No momento dos disparos, o motorista disse "Ai". A sobrevivente se abaixou para tentar se proteger, e Marielle, que usava cinto de segurança, tombou sobre ela. O veículo, que trafegava devagar, seguiu desgovernado até que a própria assessora conseguiu se esticar e acionar o freio de mão.

Dois dias após o crime, a assessora publicou nas redes sociais uma homenagem à vereadora.

"Estou viva. Mas a alma oca. A carne, ainda trêmula, não suporta a dor que serpenteia por dentro, num looping sem fim. Minha amiga, na tentativa de calarem a sua voz, a ampliaram ensurdecedoramente, em milhares de bocas. Para sempre. #MarielleVive", escreveu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.