Reprodução/Google Street View
Reprodução/Google Street View

Atiradores matam quatro e ferem sete pessoas em São Gonçalo

Polícia suspeita que a ação foi praticada por traficantes ou milicianos

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2019 | 02h17

RIO - Quatro pessoas foram mortas e sete ficaram feridas quando um grupo armado atirou a esmo na frente de um bar em São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio, na noite de domingo, 26. Os atiradores não roubaram ninguém e conseguiram fugir. Segundo a Polícia Civil, o grupo ainda passou em outro bar, onde atirou para cima e roubou clientes, mas não matou ninguém. A polícia suspeita que a ação foi praticada por traficantes ou milicianos.

Dezenas de clientes estavam em um bar no bairro Porto Velho, à margem da rodovia Niterói-Manilha, quando a ação ocorreu. O maior grupo comemorava os 30 anos de um rapaz. Segundo a polícia, os criminosos chegaram em um HB-20 escuro e, sem sair do veículo, começaram a atirar na direção dos clientes. 

Janete Bezerra dos Santos Ribeiro, de 59 anos, e José Luiz Caetano, conhecido como Pepe, de idade não divulgada, morreram no local. Nove pessoas foram encaminhadas para o Hospital Estadual Alberto Torres ou para o Pronto Socorro de São Gonçalo. Fábio Rosa de Souza, de 41 anos, e Valdir Pinto Oliveira Sobrinho, de 60 anos, morreram após dar entrada nas unidades de saúde. 

Outras duas pessoas, que tiveram apenas ferimentos leves, receberam alta nesta segunda-feira, 27. Cinco vítimas continuavam internadas na noite de segunda-feira. Três dos quatro mortos já haviam sido processados, mas por acusações que não os colocariam sob risco de morte.

Os criminosos fugiram em direção a outro bar no mesmo bairro. Quando chegaram, atiraram para cima, anunciaram o assalto e recolheram dinheiro e objetos pessoais das vítimas. Nessa ação ninguém ficou ferido. Mais uma vez, os criminosos conseguiram fugir.

"As duas ações (dos criminosos) nos causam estranheza. Com a nossa experiência, essas ações não batem”, afirma a delegada Bárbara Lomba, da Delegacia de Homicídios de Niterói (Região Metropolitana do Rio), responsável por investigar o caso. “Isso nos desperta atenção para um outro motivo, por isso não vamos descartar nenhuma hipótese. A região sofre por disputa de território entre o tráfico e a milícia. Então, tanto pode ser atuação de um grupo como de outro. E também pode ser um grupo querendo que a polícia vá pelo caminho errado”, afirmou a delegada à imprensa.

“Nós temos a informação que houve os disparos nesse primeiro bar, onde havia um grupo de pessoas festejando. Em seguida, em um outro bar, houve tiros para o alto e pertences de pessoas foram levados. A linha de investigação está em aberto ainda. Não temos como afirmar qual seria a motivação e quem seria os autores, ainda”, concluiu a delegada.

Tudo o que sabemos sobre:
Polícia CivilSão Gonçalo [RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.