Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Atropelador de Copacabana responderá a inquérito em liberdade

Antonio Anaquim deverá ser indiciado por homicídio culposo e lesões corporais; um bebê morreu e 17 pessoas ficaram feridas

O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2018 | 19h20
Atualizado 19 Janeiro 2018 | 19h29

RIO - Antonio de Almeida Anaquim, de 41 anos, que conduzia o carro que atropelou pelo menos 18 pessoas na noite da quinta-feira, 18, na Praia de Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro, foi liberado na tarde desta sexta-feira, 19, da 12ª Delegacia de Polícia (Hilário de Gouveia). Ele deverá ser indiciado por homicídio culposo e lesões corporais culposas (sem intenção de matar) pela Polícia Civil. 

+++ Atropelador responderá por homicídio culposo, diz delegado

O delegado Gabriel Ferrando afirmou que a hipótese mais provável para explicar o que aconteceu é que o condutor tenha sofrido um "evento epilético" - um desmaio. O motorista alegou ter epilepsia e tratar da doença com remédios.

+++ Parente de vítimas culpa Detran por atropelamento em Copacabana

"Disritimia, ao contrário da convulsão que o indivíduo cai e fica se debatendo, causaria um apagão. Ele disse que já teve esse episódio há uns três, quatro anos. Ele disse que teve esse apagão no momento que estava conduzindo o veículo, o que ocasionou a manobra brusca", disse o delegado.

+++ Motorista do acidente em Copacabana não contou ter epilepsia ao tirar carteira

A Polícia Civil também afirmou que o motorista foi encaminhado imediatamente ao Instituto Médico Legal (IML), onde, durante a madrugada, foi descartada a possibilidade de Anaquim ter ingerido bebida alcóolica. Também foram incluídos pedidos de exames de urina.

Ferrando disse ainda que, pela manhã, houve uma oitiva "importantíssima" de uma mulher que estava com Anaquim no veículo. "Ela não seria uma pessoa muito próxima a ele e confirmou o ataque. Estamos agora recolhendo imagens e ouvindo testemunhas aguardando laudos periciais e trocando informações com o Detran", disse.

O Departamento Estadual de Trânsito do Rio de Janeiro (Detran-RJ) afirmou que Anaquim omitiu o problema neurológico e estava com a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) suspensa desde 2014. Nos últimos cinco anos, acumulou 62 pontos no documento, por infrações como avanço de semáforo no sinal vermelho e estacionamento proibido.

Em nota divulgada no início da noite desta sexta-feira, a Polícia Civil informou que chegou a 18 o número de vítimas do atropelamento. Um bebê morreu e pelo menos 17 pessoas ficaram feridas.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.