Marcio Dolzan/Estadão
Marcio Dolzan/Estadão

Australiano foragido e condenado por pedofilia morre no Rio

Christopher John Gott, de 63 anos, estava em coma e vivia no Brasil há mais de duas décadas após fugir de uma condenação por abuso sexual de menores na Austrália

Leonardo Pinto, Especial para o Estado

03 Junho 2018 | 07h39

O criminoso australiano Christopher John Gott, foragido no Brasil e condenado há mais de 24 anos por pedofilia em seu país, morreu na noite de quinta-feira, 31, após ficar meses internado em estado de coma, no Hospital Miguel Couto, no Rio de Janeiro. O caso de Gott veio à tona no começo deste ano depois de ele ter sido registrado como uma das 17 pessoas feridas em decorrência de um atropelamento em massa por um carro desgovernado, na orla de Copacabana, em janeiro. A morte foi confirmada ao Estado pela equipe do 23º batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro e pela assessoria da Secretaria Municipal de Saúde.

Condenação na Austrália

Gott vivia na capital carioca como professor de inglês há, aproximadamente, 22 anos. Por aqui, com um passaporte falso, ele era Daniel Marcos Philips e tinha 68 anos, segundo investigação da Polícia Federal, que identificou a falsidade do documento e confirmou com as autoridades australianas, por meio das digitais, que se tratava de um criminoso foragido. 

+++ Brasil pede aos EUA extradição de homem apontado como maior traficante de armas do País

+++ Ministro do STF vota a favor de extraditar argentino acusado de crime na ditadura

O australiano, nascido em Melbourne, trabalhou como professor de ensino médio na cidade de Darwin até 1994, quando foi preso após 17 denúncias de abuso sexual de crianças, entre elas o estupro de uma menor de 14 anos, de acordo com informações da imprensa local. 

Condenado a seis anos de prisão pela justiça australiana, Gott cumpriu dois anos de cadeia e recebeu liberdade condicional. Foi neste momento que ele fugiu para o Rio de Janeiro e mudou de identidade, tentando se desvencilhar dos crimes cometidos na maior nação da Oceania. 

+++ Texto subjetivo abre brecha em tratados de extradição

+++ Além de Abadia, outros criminosos já se refugiaram no Brasil

Extradição

Ao Estado, em abril, quando foi revelada a real identidade de Christopher John Gott, o Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional (DRCI), do Ministério da Justiça do Brasil, informou que foi cogitado um pedido de extradição pela justiça australiana. Representantes da Interpol no Rio também estavam à frente da investigação e cuidando dos próximos passos, caso o australiano sobrevivesse aos danos do atropelamento. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.