FABIO MOTTA/ESTADÃO
FABIO MOTTA/ESTADÃO

Avenida Rio Branco terá trecho interditado para obras do VLT

Via de 110 anos no centro da capital fluminense terá Veículo Leve sobre Trilhos com capacidade para 300 mil pessoas por dia

Constança Rezende, O Estado de S. Paulo

08 Janeiro 2016 | 03h00

RIO - A Avenida Rio Branco, a mais famosa do centro carioca, terá o trânsito interditado em um trecho de 600 metros a partir da sexta-feira da próxima semana em continuidade à obra de instalação do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O fechamento ocorrerá da esquina com a Avenida Nilo Peçanha ao cruzamento com a Rua Santa Luzia. No trecho, a prefeitura do Rio planeja criar um novo passeio público, com acesso exclusivo a pedestres e ciclistas e veto definitivo a carros, ônibus, táxis e motocicletas.

Batizado de Boulevard da Rio Branco, o passeio ocupará um espaço de grande relevância cultural. Nele ficam o Theatro Municipal, a Biblioteca Nacional, o Palácio Pedro Ernesto (Câmara de Vereadores), o Museu Nacional de Belas Artes, a Cinelândia e o Centro Cultural da Justiça Federal. 

A Rio Branco, que completou 110 anos em novembro passado, também vai ganhar uma ciclofaixa e um canteiro central, com calçamento de paralelepípedos, trechos gramados e passagens de pedestres em granito. A previsão é que a malha de ciclovia alcance, no centro, cerca de 30 quilômetros de extensão.

Em março, as obras no local completarão dois anos. Desde o início da remodelação da avenida, a interdição de trechos importantes do centro tornou o trânsito ainda mais caótico, espremeu os pedestres em calçadas tomadas por tapumes, operários e material de construção e facilitou a ação dos assaltantes, habituais frequentadores da região. 

Segundo a prefeitura, a partir da próxima semana, placas informativas e monitores orientarão os passageiros de ônibus cujos pontos serão desativados. 

A Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) informou que o VLT começará a operar no primeiro semestre deste ano - sem detalhar o mês exato -, entre a Rodoviária Novo Rio e o Aeroporto Santos Dumont. A previsão é que o transporte já esteja operando antes da Olimpíada, que começará em 5 de agosto.

Preço. A tarifa da passagem só deverá ser definida próximo da inauguração e será integrada ao bilhete único de transportes. A administração municipal anunciou que a bilhetagem será feita “de forma eletrônica e voluntária”, como ocorre em países da Europa. 

O VLT, que circulará em uma velocidade média de 15 km/h, será integrado com o sistema de ônibus. A meta é que o trânsito na área diminua em pelo menos 30% com o novo sistema, que tem custo estimado em R$ 1,157 bilhão. 

O meio de transporte atenderá até 300 mil pessoas por dia. Pelo projeto original, os passageiros contarão com 32 paradas, distribuídas por 28 quilômetros de vias espalhadas pelo centro e pela zona portuária. Deverá haver a integração com a estação ferroviária Central do Brasil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.