Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Bandidos explodem agências bancárias, montam barreiras contra a polícia e fogem pelo mar de Paraty

Dois carros roubados foram encontrados incendiados na região; polícia analisa câmeras de segurança

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

29 Março 2018 | 15h52

RIO - Um roubo a banco levou pânico à histórica cidade de Paraty, no litoral sul fluminense, na madrugada desta quinta-feira, 29. Uma quadrilha de bandidos armados com fuzis e pistolas explodiu cofres e caixas eletrônicos de duas agências bancárias. Para evitar a chegada da polícia, eles levantaram barreiras ao redor do local do crime e fugiram em seguida pelo mar.

Os ataques dos criminosos tiveram como alvo uma filial da Caixa Econômica Federal e outra do Banco do Brasil. O roubo às agências aconteceu na Avenida Roberto Silveira, no centro de Paraty, bem próximo à região de maior circulação de turistas. 

Segundo testemunhas, cerca de 20 homens participaram da ação criminosa. A Polícia Civil confirma que havia pelo menos dez assaltantes.

Agentes do 33º Batalhão de Polícia Militar foram acionados, mas tiveram de abandonar os carros oficiais a caminho da ocorrência, detidos por pregos soldados plantados na rua pelos bandidos para impedir a passagem da polícia. Os agentes se dirigiram ao local a pé, mas se depararam com nova barreira erguida pelos criminosos perto das agências bancárias, dessa vez um carro incendiado.

Os caixas-eletrônicos de duas agências ficaram destruídos pelas explosões. Eles usaram explosivos também para abrir os cofres, mas só conseguiram levar o dinheiro dos caixas eletrônicos da agência do Banco do Brasil. Não há informações sobre o volume de valores roubados.

Os criminosos conseguiram fugir atravessando o centro histórico e escapando pelo mar a bordo de duas lanchas.

A perícia já foi feita nos locais das explosões. Dois carros roubados, usados pelos bandidos, foram encontrados incendiados na região. Agentes da 167ª Delegacia de Polícia fazem buscas e analisam imagens de câmeras de segurança para ajudar a identificar a autoria do crime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.