Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Grupo assalta igreja na Vila Kennedy, no Rio, após saída das tropas militares

Segundo moradores contaram ao Estado, após a ação os criminosos 'saíram tranquilamente' no sentido da Avenida Brasil

Constança Rezende, Roberta Pennafort, Ludimila Honorato e Renata Okumura, O Estado de S.Paulo

09 Março 2018 | 11h17
Atualizado 09 Março 2018 | 18h18

RIO - Um grupo de homens encapuzados atacou a igreja católica Cristo Operário Santo Cura D'Ares, na Vila Kennedy, na zona oeste no Rio, e assaltou cerca de 20 fiéis e um padre, na quinta-feira, 8. O crime ocorreu depois que militares, que durante o dia fizeram mais uma operação na comunidade, deixaram o local.

Segundo moradores contaram ao Estado, após a ação os criminosos "saíram tranquilamente" no sentido da Avenida Brasil.

Nesta sexta-feira, 9, os militares voltaram à favela, pelo terceiro dia consecutivo. Desta vez, oficiais e praças estão acompanhados de agentes da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Seop). Em ação de "ordenamento urbano", foram derrubadas barracas de feirantes, com o uso de retroescavadeiras. A ação provocou a reação de pessoas que trabalham nas barracas. 

"O Exército, a prefeitura e a PM estão punindo pessoas que não têm nada a ver com o crime, que são trabalhadoras. A partir do dia de hoje, a relação com as forças de segurança vai ser outra, muito pior", afirmou um morador, que preferiu não ter a identidade divulgada.

+++ Pelo segundo dia seguido, Forças Armadas atuam na Vila Kennedy

Segundo publicação no Facebook da Voz da Vila Kennedy, os criminosos fizeram cerca de 40 fiéis como reféns, após roubarem todos pertences dos que estavam na igreja, inclusive do próprio padre. Os quatro ladrões estavam encapuzados, o que dificulta a identificação deles. Todos os moradores que foram assaltados estão bem.

Questionado pela reportagem sobre o motivo das demolições, o Comando Conjunto de Operações no Rio informou que "a operação de organização urbana está sendo realizada pela prefeitura, com base em critérios por ela estabelecidos". Os militares afirmaram também que "apenas asseguram a estabilidade da área." A reportagem buscou explicações na  Secretaria de Ordem Pública do município. Até às 11h, ainda não havia resposta. 

Na ação desta sexta-feira, os militares fazem novamente um "cerco, estabilização dinâmica da área e reforço no patrulhamento ostensivo" na comunidade. "Eventualmente poderão ser cumpridos mandados de prisão por parte da Polícia Civil e executada remoção de obstáculos remanescentes", informou a comunicação o Comando Militar do Leste (CML), por nota. 

São empregados 1.400 militares das Forças Armadas, com apoio de blindados, aeronaves e equipamentos pesados de engenharia. Algumas ruas e acessos nessas áreas poderão ser interditados. 

+++ Moradores denunciam excessos de militares

O prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), divulgou nota repudiando o "uso desproporcional da força" por agentes da própria prefeitura, e anunciando que funcionários serão afastados. Na íntegra, o texto diz:

"A Prefeitura do Rio realizou nesta sexta-feira operação de ordenamento urbano na Praça da Vila Kennedy, a pedido da Polícia Militar do Rio de Janeiro. Além de outras irregularidades no local, havia denúncias de atividades criminosas, tais como venda de drogas e de carga roubada. 

O prefeito Marcelo Crivella constatou, contudo, que na operação houve uso desproporcional da força, atingindo também desnecessariamente trabalhadores. O prefeito repudia esse tipo de comportamento. Ele determinou o afastamento imediato dos funcionários envolvidos e o cadastramento dos comerciantes para imediata realocação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.